Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.522,26
    -6,71 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,46
    -1,21 (-1,93%)
     
  • OURO

    1.786,80
    +8,40 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    55.550,24
    -335,84 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.278,35
    +15,39 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.141,64
    +6,70 (+0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.923,77
    +102,47 (+0,30%)
     
  • FTSE

    6.869,32
    +9,45 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.705,25
    -89,00 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6733
    -0,0292 (-0,44%)
     

Cristina Kirchner diz que Argentina não tem como pagar FMI

SYLVIA COLOMBO
·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - "Não temos dinheiro para pagar a dívida", disse a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, na quarta-feira (24), em um evento no feriado de memória ao golpe militar de 1976. Mesmo falando a militantes, em seu tom explosivo costumeiro, o discurso da presidente causou impacto nos mercados. A Argentina deve US$ 44 bilhões ao FMI (Fundo Monetário Internacional), uma dívida contraída durante a gestão de Mauricio Macri, antecessor do atual presidente, Alberto Fernández. Nesta semana, o ministro da economia argentino está nos EUA tentando reestruturar a dívida com o fundo, e manteve conversas com a presidente do organismo, Kristalina Georgieva. Fernández, em seu discurso de abertura de sessões legislativas, há três semanas, havia criticado Macri por haver contraído a dívida, mas que não estava nos planos do governo argentino descumprir o tratado e que a dívida seria paga, depois de reestruturada. O mercado financeiro argentino não operou na quarta-feira devido ao feriado, mas as ações de empresas argentinas em Wall Street terminaram o dia com perdas de até 7%. Também houve quedas no valor dos bônus argentinos, numa média de 2%. Cristina fez as declarações acompanhada pelo governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, e de seu filho, o deputado Máximo Kirchner. Ambos representam os setores mais à esquerda do kirchnerismo. Kicilloff foi ministro da economia na gestão de Cristina como presidente, e Máximo é o líder do La Cámpora, organização que reúne ativistas e políticos kirchneristas que são a base de apoio de Cristina. Apesar da fala de Cristina, tanto Fernández como Guzmán se mostraram otimistas em conseguir reestruturar a dívida. O presidente foi muito enfático em seu mais recente discurso dizendo que "a Argentina não deixará de cumprir seus compromissos", embora esperasse uma "compreensão" por parte do fundo.