Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.672,63
    +1.055,43 (+3,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Cristiano Ronaldo e Pogba, dois gestos e suas consequências

·3 minuto de leitura
Cristiano Ronaldo participa de entrevista coletiva durante a Eurocopa

Quando o português Cristiano Ronaldo retirou duas garrafas da marca de refrigerante mais consumida do mundo da bancada onde concedia uma entrevista coletiva, gesto repetido pelo francês Pogba, mas com uma cerveja, a atitude dos dois jogadores impactou diretamente o mundo do marketing, além de levantar questões sobre a compreensão por parte dos atletas em relação ao alcance de seus atos.

Quando a estrela da seleção de Portugal e da Juventus fala, o mundo o escuta. O atacante não só tem um dos mais brilhantes recordes da história do futebol com a sua coleção impressionante de títulos, troféus, recordes e gols, como também é incomparável nas redes sociais.

Em fevereiro, o cinco vezes vencedor da Bola de Ouro se tornou a primeira personalidade do mundo a ultrapassar a cifra astronômica de 500 milhões de seguidores nas principais redes sociais.

Quando o jogador de 36 anos decide passar uma mensagem, como no início da semana numa conferência de imprensa, retirando duas garrafas de Coca-Cola colocadas à sua frente pelos organizadores da Eurocopa, para as afastá-las do campo visual das câmeras de televisão, o detalhe não passa despercebido. Até porque a estrela portuguesa não consome alimentos açucarados na sua dieta para preservar o seu físico invejável. Além disso, apoiou o seu gesto com palavras devastadoras para a marca de refrigerante: “Beba água”.

Um dia depois, foi outro patrocinador da competição europeia e da Uefa, Heineken, que teve um dia ruim, fruto do gesto do campeão mundial francês Paul Pogba, que retirou uma garrafa de cerveja sem álcool de sua mesa, novamente numa conferência de imprensa .

Talvez esperassem tanta repercussão nas redes sociais e na imprensa, mas Cristiano Ronaldo e Pogba têm grandes qualidades na hora de gerir suas imagens.

- Nova forma de ativismo -

"Cada vez mais os atletas procuram se associar a produtos e marcas que estejam de acordo com sua própria marca e seus valores”, analisa para a AFP Simon Chadwick, diretor de esportes da Emlyon Business School.

“O que Cristiano Ronaldo, que no passado fez anúncios da Pepsi e representou a Coca-Cola na China nos anos 2000, diz é: 'Como indivíduo, tenho o direito de mudar o que fazia no passado", continuou.

Para Simon Chadwick, é uma nova forma de ativismo. “Seja na internet ou no mundo real, quando há algo na sua frente que você não gosta e que não combina com você, você simplesmente remove”, explica.

Mas poderia esse gesto causar uma queda de quatro bilhões de dólares no valor das ações da Coca-Cola, como alguns afirmam?

- 'Rápido demais' -

Para as marcas afetadas "provavelmente haverá impactos diferentes, mas ainda é muito cedo para estabelecê-los", disse Bertrand Chovet, CEO da Brand Finance France.

“A colocação de produtos deve ser um pouco mais cuidadosa, mas os jogadores se beneficiam desses patrocinadores, então é um pouco contraditório”, afirma.

Embora a Coca-Cola e a Heineken, questionadas pela AFP, não tenham dado uma resposta neste momento, a Uefa recordou nesta quinta-feira que "as contribuições destes patrocinadores são importantes para o torneio e para o futebol europeu", afirmou o diretor da Eurocopa, Martin Kallen.

As duas marcas são as maiores patrocinadoras da competição europeia, segundo o escritório KPMG, que estima o valor do contrato da Heineken em 45 milhões de dólares (38 milhões de euros) e o da Coca-Cola em 35 milhões de dólares (29 milhões de euros).

Mas a Uefa não pensa em punir Cristiano Ronaldo ou Pogba: "Temos um regulamento aprovado pelas federações que participam (da Eurocopa), estamos em contato com elas e lembramos as suas obrigações", acrescentou.

Enquanto aguardam as próximas coletivas dos dois jogadores, seus colegas menos conhecidos aderiram à tendência de mudar suas posições de bebidas na frente dos microfones, como o ucraniano Andreiy Yarmolenko na quinta-feira após a vitória sobre a Macedônia do Norte (2-1 ).

"Eu vi o Cristiano Ronaldo", sorriu, antes de se aproximar das duas garrafas de Coca-Cola e da cerveja, e dizer para os patrocinadores: "Falem comigo!"

jr-cfe-gj-eba-bur/iga/pm/lca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos