Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.659,97
    -2.441,84 (-6,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Crise na produção de chips pode durar dois anos, diz CEO da Intel

·2 minuto de leitura
Crise na produção de chips pode durar dois anos, diz CEO da Intel
Crise na produção de chips pode durar dois anos, diz CEO da Intel

A escassez de matéria-prima para a produção de chips, que já é encarada como uma crise global no segmento de smartphones e até de veículos, não deve acabar tão cedo. A preocupante constatação partiu de Pat Gelsinger, CEO da Intel, durante participação em uma sessão virtual da feira Computex, em Taipei.

“Embora a indústria tenha tomado medidas para lidar com as restrições de curto prazo, ainda pode levar uns dois anos para o ecossistema lidar com a escassez de capacidade de fundição, substratos e componentes”, comentou, em entrevista para a Reuters.

Entre as medidas citadas por Gelsinger para lidar com as restrições está uma tomada pela própria Intel. A empresa anunciou, em março, um investimento de mais de R$ 100 milhões (US$ 20 bilhões) para expandir a capacidade de fabricação de chips, com a construção de duas novas unidades produtoras no Arizona, nos Estados Unidos.

“Planejamos expandir para outras localidades nos EUA e na Europa, garantindo uma cadeia de suprimentos de semicondutores segura e sustentável para o mundo”, reforçou o CEO. A Casa Branca também se posicionou recentemente, por meio de uma ordem executiva, se comprometendo a traçar planos para colocar um fim na crise mundial de abastecimento de chips.

Produtos afetados

A crise mundial dos chips não está ameaçando apenas a produção de notebooks, desktops ou dispositivos equipados com produtos Intel. Empresas como Qualcomm, TSMC, Xiaomi, Apple e Samsung já sentiram efeitos diretos da escassez dos processadores.

Em maio, por exemplo, a Samsung relatou que dois modelos da linha “A”, equipados com Snapdragon 720G e 750G, atrasaram por conta da escassez. Os consoles de game Xbox Series X e PlayStation 5, além das GPUs mais recentes da Nvidia, também têm sido afetados e, quando aparecem como disponíveis em estoque, normalmente estão com preços muito elevados.

Via Android Authority

Imagem: Jeremy Waterhouse/Pexels/CC

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos