Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,43
    +0,53 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.835,90
    +4,60 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    58.377,18
    -244,46 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.738,50
    +28,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3696
    +0,0045 (+0,07%)
     

Crise na Índia mostra a países ricos efeito de acumular vacinas

Bhuma Shrivastava e Chris Kay
·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Durante meses, países desenvolvidos acumularam vacinas contra a Covid-19 e as matérias-primas necessárias para produzi-las. Agora, são obrigados a agir diante da disparada de casos na Índia, o que aumenta o risco de novas variantes do coronavírus que podem ameaçar o resto do mundo.

Sob crescentes críticas por dominar os recursos para vacinas, os Estados Unidos disseram esta semana que vão ajudar a Índia com itens necessários para a fabricação de imunizantes. Países europeus também prometeram ajuda quando os novos casos no país do sul da Ásia batem recordes mundiais. Além disso, o governo do presidente Joe Biden prometeu compartilhar seu estoque de vacinas da AstraZeneca - que os EUA nem mesmo aprovaram para uso - e conversou com farmacêuticas sobre o aumento da oferta e renúncia à proteção de propriedade intelectual para vacinas contra a Covid-19, uma mudança exigida pela Índia e África do Sul.

As medidas mostram a percepção crescente de que o nacionalismo de vacinas que muitas nações ricas abraçaram pode sair pela culatra, prolongando a pandemia. Enquanto esses países asseguram as primeiras vacinas para suas velozes campanhas de imunização, nações como a Índia estão sem suprimentos, permitindo que o coronavírus se propague livremente. Alguns cientistas atribuíram a segunda onda no país de 1,3 bilhão de habitantes a uma cepa mais virulenta, e o surto fora de controle poderia desafiar as vacinas sendo distribuídas em países como Reino Unido e Israel.

“Certamente há potencial para novas variantes surgirem em um país do tamanho da Índia, que podem representar uma ameaça em outro lugar”, disse Ramanan Laxminarayan, fundador do Center for Disease Dynamics, Economics & Policy, com sede em Nova Déli e Washington. “É do interesse do mundo garantir que a Índia saia da pandemia o mais cedo possível, e a vacinação é a única maneira.”

Embora os vírus sofram mutações o tempo todo, nem todas são significativas. Mas algumas novas cepas em outras partes do mundo geram preocupações porque podem ser mais contagiosas. No início do ano, dados mostraram que a vacina da AstraZeneca foi menos eficaz contra uma variante identificada na África do Sul.

A variante da Índia - uma cepa chamada B.1.617 - já soa alarmes. Ela tem duas mutações críticas que a tornaria mais transmissível e resistente à imunidade anterior conseguida, disse Anurag Agrawal, diretor do Instituto de Genômica do Conselho de Pesquisa Científica e Industrial da Índia, em entrevista à Bloomberg na semana passada.

Rakesh Mishra, diretor do Centro de Biologia Celular e Molecular em Hyderabad, um dos laboratórios que trabalham para sequenciar amostras do coronavírus na Índia, disse que essa variante parece ser mais infecciosa, mas não é provável que cause mais mortes.

Além disso, a vacina da AstraZeneca e outra desenvolvida pela indiana Bharat Biotech International se mostraram eficazes contra essa variante em dados preliminares, disse. O Ministério da Saúde da Índia não confirmou se esta variante é mais transmissível, e um porta-voz do Ministério Federal da Saúde não estava disponível para comentário de imediato.

“Temo que possamos ter mais problemas à frente”, disse William Haseltine, ex-professor da Harvard Medical School e pesquisador de HIV que agora preside o think tank Access Health International. “Já existem variantes de segunda e possivelmente terceira geração da B.1.617 circulando na Índia. Estas podem ser mais perigosas do que a própria variante B.1.617.”

A segunda onda da Índia é certamente mais destrutiva. Hospitais e crematórios estão sob pressão, enquanto indianos imploram nas redes sociais por cilindros de oxigênio e medicamento. Quase 3 mil pessoas morrem todos os dias, e especialistas dizem que esse número provavelmente subestima os dado reais. A taxa de mortes diárias é quase o dobro do nível no auge da primeira onda, o que gera especulações de que a nova variante, ou outras mutações, são as culpadas. O Brasil, que também enfrenta falta de vacinas, sente o impacto de uma cepa de coronavírus considerada responsável por um número de mortos muito maior de Covid.

Mas, apesar de abrigar a maior indústria de vacinas do mundo, a campanha de imunização da Índia desacelerou nas últimas semanas e muitos estados alertam que seus suprimentos estão quase no fim.

A escassez foi parcialmente atribuída a gargalos relacionados a alguns itens-chave, e Adar Poonawalla, CEO do Serum Institute of India, maior produtor de vacinas do país e parceiro de fabricação da AstraZeneca - cada vez mais aponta para os EUA.

Talvez seja necessária uma mudança mais profunda na forma como países desenvolvidos lidam com as vacinas. Mesmo que os EUA enviem todas suas 60 milhões de doses da AstraZeneca para a Índia, o impacto seria limitado em uma população de tal tamanho. Outros países em desenvolvimento ainda não receberam vacinas ou suprimentos consistentes.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.