Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.007,52
    -255,01 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Crise de mão de obra aérea ameaça arruinar viagens de férias

(Bloomberg) -- Executivos de companhias aéreas e de aeroportos passaram os últimos dois anos tentando convencer todo mundo que é seguro voar durante uma pandemia, com pontos de contato reduzidos e medidas de nível hospitalar. Mal sabiam eles o quanto ficariam sobrecarregados quando as viagens voltassem com tudo.

Desde Sydney, onde passageiros esperam por horas para fazer check-in, a cenas caóticas na Índia e na Europa, onde o Reino Unido há semanas sofre tumulto e a Deutsche Lufthansa cancela centenas de voos, o setor de aviação não tem gente suficiente para executar as operações sem problemas.

À medida que países reabrem as fronteiras e as restrições de Covid diminuem, as viagens voltaram com tanta voracidade que resultaram em uma crise de mão de obra sem precedentes, agravada pelas demissões de centenas de milhares de trabalhadores induzidas pela pandemia, desde pilotos a tripulantes de cabine e pessoal de assistência em terra.

Muitos não estão dispostos a voltar, mas mesmo que estivessem, aumentar a escala nesse ritmo é um risco para companhias aéreas e aeroportos, com a inflação em espiral e as pressões econômicas colocando um ponto de interrogação sobre a sustentabilidade da demanda atual.

“Todos os aeroportos e companhias aéreas estão com poucos funcionários no momento”, disse Geoff Culbert, CEO do aeroporto de Sydney, onde quase metade da força de trabalho de 33.000 pessoas perdeu o emprego durante a pandemia. “Não somos um lugar tão atraente para trabalhar como antes”, disse ele. “Ainda há um elemento de preocupação em torno da segurança no emprego.”

Para piorar ainda mais a situação, os aeroportos Schiphol em Amsterdã e Gatwick em Londres vão limitar o número de passageiros durante o período de pico das férias de verão no hemisfério norte em meio à escassez de pessoal.

Após perderem seus empregos por causa da pandemia, muitos funcionários do setor de aviação mudaram para outras carreiras menos voláteis e reconquistá-los ficou difícil. O aeroporto de Singapura busca contratar 6.600 trabalhadores. O Certis Group de Singapura oferece um bônus de contratação de US$ 18.000, cerca de 10 vezes o salário básico mensal, para um cargo de auxiliar policial que ajudaria no tráfego e no controle de multidões.

A grave escassez de pessoal leva a atrasos, cancelamentos e extrema frustração para companhias aéreas e viajantes em todas as regiões. A situação ficou tão ruim que o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, pediu ajuda de militares britânicos e a Qantas Airways da Austrália pediu a funcionários de sua sede corporativa que trabalhassem como voluntários no aeroporto durante o pico das férias em julho.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos