Mercado fechará em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    113.455,26
    -252,50 (-0,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.466,33
    -267,71 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,77
    +1,66 (+1,88%)
     
  • OURO

    1.771,10
    -5,60 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    23.325,11
    -95,04 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,32
    -1,41 (-0,25%)
     
  • S&P500

    4.270,37
    -3,67 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    33.867,63
    -112,69 (-0,33%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.514,00
    +20,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2527
    -0,0065 (-0,12%)
     

Crise de gás na Europa e reunião de política monetária do Fed afetam o dólar

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* São Paulo, SP, 06.12.2017: Crise de gás na Europa e reunião de política monetária do Fed afetam o dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*Arquivo* São Paulo, SP, 06.12.2017: Crise de gás na Europa e reunião de política monetária do Fed afetam o dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar era negociado em alta frente ao real logo após a abertura desta terça-feira (26), data que marca o início da reunião de política monetária de dois dias do banco central dos Estados Unidos, o Federal Reserve, com investidores do mundo inteiro mostrando cautela antes de esperado aumento de 0,75 ponto percentual nos juros norte-americanos.

Colaborava para movimento generalizado de aversão a risco nos mercados financeiros a perspectiva crescente de escassez de gás na Europa, após nova redução nos fluxos do combustível da Rússia para o continente.

Às 9h10 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,26%, a R$ 5,3860 na venda.

Na B3, às 9h10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,48%, a R$ 5,3910.

Real e ações da Bolsa de Valores brasileira tiveram um dia de valorização nesta segunda-feira (25) com investidores contando com uma alta dentro do esperado dos juros nos Estados Unidos, além da perspectiva de valorização de commodities importantes para as exportações domésticas.

O Ibovespa, referência da Bolsa, subiu 1,36%, a 100.269 pontos.

O segmento de energia apresentou forte valorização de empresas do ramo petrolífero. As ações mais negociadas da Petrobras saltaram 4,5% nesta sessão. Os papéis da PetroRio avançaram 4,15%.

O petróleo Brent subiu 1,89%, a US$ 105,15 (R$ 569) por barril. A valorização do preço de referência da matéria-prima ocorre no dia em que a Gazprom, gigante estatal russa, anunciou que vai reduzir o fluxo de gás para a Europa para realizar a manutenção de uma turbina.

O gasoduto passará a fornecer diariamente 33 milhões de metros cúbicos de gás natural, o que representa somente 20% de sua capacidade total. Até o momento, a estatal operava com 40% do potencial de distribuição.

Diante do prolongamento da Guerra da Ucrânia e da manutenção de embargos do Ocidente à Rússia, a possibilidade de corte de gás é cada vez mais considerada por países que dependem desse fornecimento, como é o caso da Alemanha.

É, no entanto, a perspectiva de uma alta dentro do esperado da taxa do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) que desde a semana passada traz certa calmaria para os mercados de ações e de câmbio.

O mercado dá como quase certo o aumento em 0,75 ponto percentual nesta quarta-feira (27).

Em Nova York, o índice de referência S&P 500 subiu 0,13%. As ações de grande valor acompanhadas pelo Dow Jones tiveram alta de 0,28%. O setor de tecnologia e empresas de com maior potencial de cresciemento, presentes no indicador da Nasdaq, caiu 0,43%.

A alta prevista para os juros americanos irá igualar o aumento aplicado pela autoridade monetária dos EUA em junho, a maior em quase 30 anos.

O processo de elevação de juros é adotado pelas principais economias mundiais em uma tentativa de desacelerar a inflação que se espalhou pelo globo com a quebra das cadeias de suprimentos durante a pandemia.

Na semana passada, o BCE (Banco Central Europeu) elevou a taxa básica de juros na região em 0,50 ponto percentual, a primeira alta desde 2011.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos