Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,89
    -0,31 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.822,90
    +8,90 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    30.116,82
    -1.147,74 (-3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    -146,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2816
    +0,0225 (+0,43%)
     

Crise dos chips poderá durar até 2024, afirma CEO da Intel

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Em entrevista concedida a um portal de notícias americano, o CEO da Intel Pat Gelsinger afirmou que a crise dos chips poderá durar até 2024. Para ele, a escassez de componentes atingiu níveis profundos da indústria, e por isso a recuperação será mais lenta que o esperado.

Crise dos chips afeta fábricas de forma profunda (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash)
Crise dos chips afeta fábricas de forma profunda (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash)

O prazo citado por Gelsinger é um pouco mais longo em relação a previsões anteriores, que apontavam para uma normalização em 2023 ou mesmo a partir do segundo semestre de 2022. Entretanto, o executivo afirmou que ferramentas importantes de montagem começaram a ser afetadas, impedindo a operação em um ritmo anterior ao início da crise.

O principal motivo causador deste panorama é a pandemia de covid-19, que atingiu os países de forma mais abrangente no início de 2020. No ano seguinte, a crise se intensificou por conta de grandes paralisações em fábricas asiáticas, além de dificuldades logísticas generalizadas.

O panorama afeta os preços e disponibilidade de celulares e outros dispositivos eletrônicos. Marcas como Samsung e Xiaomi precisaram adiar o lançamento de alguns modelos em vários meses — mesma situação é vista em relação ao Pixel 6a, próximo modelo intermediário do Google.

Como a utilização de chips semicondutores em produtos diversos é cada vez mais comum, a produção de automóveis e eletrodomésticos também foi afetada. Marcas como GM, Ford e Mercedes reduziram as suas operações pela falta de componentes necessários.

Além disso, as consequências da crise são sentidas em diversos países: nos Estados Unidos, as taxas de inflação são as maiores registradas desde o início dos anos 80.

Crise dos chips não impede investimentos futuros

Intel terá novas fábricas, especialmente na Europa (Imagem: Divulgação/Intel)
Intel terá novas fábricas, especialmente na Europa (Imagem: Divulgação/Intel)

Mesmo em uma conjuntura pouco favorável, diversas fabricantes de semicondutores aumentaram as suas estruturas. A própria Intel anunciou recentemente o investimento próximo a 19 bilhões de dólares (cerca de R$ 94 bilhões em conversão direta) em fábricas localizadas na Alemanha — também são previstas novas construções em outros países europeus, e nos Estados Unidos.

Tais investimentos são justificados pela alta demanda por produtos para uso em ambientes domésticos, que disparou por conta das medidas de isolamento. Dispositivos como notebooks e tablets obtiveram grandes vendas para trabalho em home office, mas também com foco em entretenimento virtual, por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos