Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.428,42
    +2.372,45 (+6,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Criptomoeda subiu 50.000.000% e fez R$ 1 milhão com R$ 2; veja melhores do 1º semestre

·4 minuto de leitura

Diversas criptomoedas tiveram altas extraordinárias no primeiro semestre de 2021, com porcentagens de valorização até na casa dos milhões.

Apesar das quedas gerais vistas nos preços de diversas criptomoedas nos meses de maio e junho, o balanço dos primeiros seis meses de 2021 ainda é muito positivo para os usuários que decidiram entrar neste mercado logo no início do ano.

Analisando os dados de mercado é possível ver que algumas moedas atualmente entre as top 50 em valor de mercado conseguiram trazer grande retorno para quem arriscou no começo de 2021.

Dependendo do tamanho do aporte, vários desses compradores se tornaram milionários em seis meses – e, em um caso, com um investimento módico de R$ 2.

O BeInCrypto destaca cinco criptomoedas entre as 50 maiores do mercado que explodiram de preço e ofereceram a maior taxa de retorno no primeiro semestre do ano.

Solana (SOL)

O projeto Solana (SOL) conseguiu uma grande popularização no mercado em 2021, após crescer no setor de finanças descentralizadas (DeFi) e NFT como uma das alternativas à Ethereum (ETH). Por conta disso, o preço da criptomoeda disparou, indo de US$ 1,84 no início de janeiro para a máxima histórica de US$ 58,03 em maio, uma alta de 3.053%.

O token entrou em tendência de baixa após atingir esse recorde de preço, sendo negociado atualmente em US$ 32, 31. No entanto, esse valor ainda simboliza um ótimo retorno em relação ao seu preço visto em janeiro.

PancakeSwap (CAKE)

O CAKE, token utilitário da exchange descentralizada (DEX) PancakeSwap, teve uma grande alta a partir de fevereiro deste ano. A moeda, que iniciou o ano sendo cotada em US$ 0,65, atingiu uma máxima histórica de US$ 43,96 no dia 30 de abril – ganhos de 6.663%.

O principal motivo por trás dessa forte alta está no sucesso das exchanges descentralizadas no mercado cripto neste ano, especialmente as que funcionam na Binance Smart Chain, atraindo cada vez mais investimentos e usuários para as suas plataformas.

Neste setor, a PancakeSwap se estabeleceu como uma das DEXs que mais conseguiram gerar volumes de negociações.

Para se ter uma ideia do quão forte foi a disparada de preços do ativo, um investimento de R$ 15.000 em CAKE feito no início do ano geraria um retorno acima de R$ 1 milhão em apenas quatro meses.

Apesar das quedas recentes, a criptomoeda ainda está sendo cotada bem acima dos preços vistos em janeiro. No fechamento desta matéria, o token era negociado a US$ 12,59 – uma valorização acumulada de mais de 18 vezes em 2021.

Dogecoin (DOGE)

Criada para ser apenas uma moeda meme, a Dogecoin (DOGE) caiu nas graças da comunidade do Reddit, de Elon Musk e de diversas celebridades mundiais. Por isso, ela disparou de preço, em especial em janeiro e em abril deste ano.

A DOGE abriu 2021 sendo negociada em US$ 0,005 e disparou até a sua máxima histórica de US$ 0,73 no início de maio. O movimento fez o ativo proporcionar uma valorização acima de 14.000% para aqueles que decidiram investir na moeda meme logo em janeiro.

Apesar das fortes quedas recentes, sendo negociada nesta sexta-feira por US$ 0,24, a DOGE ainda acumula alta de 4.800% no ano ocupa o 6º lugar entre as maiores criptomoedas em valor de mercado.

Polygon (MATIC)

A Polygon (MATIC) conseguiu um grande sucesso no mercado neste ano, ao oferecer uma solução de segunda camada para a rede Ethereum (ETH), oferecendo taxas e transações mais baratas para diversos desenvolvedores de projetos. O projeto de origem indiana ficou conhecido como a “Internet de blockchains Ethereum”

O sucesso fez o token MATIC ter uma disparada no segundo trimestre do ano, chegando à máxima histórica de US$ 2,62 em maio. A alta representou um salto de mais de 26.000%, já que a criptomoeda era negociada a apenas US$ 0,01 no início do ano.

Um investimento de apenas R$ 4.000 na criptomoeda no dia 1º de janeiro seria o suficiente para deixar um investidor milionário.

Shiba Inu (SHIB)

Criada para ser uma moeda meme que rivalizasse com a Dogecoin, a Shiba Inu (SHIB) teve um crescimento estratosférico em maio deste ano, atraindo a atenção de diversos investidores e exchanges de renome.

O token, que no dia 1º de janeiro era negociado a singelos US$ 0,000000000077, desempenhou uma alta impressionante de quase 50.000.000% (ou 500.000 vezes) até a máxima histórica de US$ 0,000037910000.

O movimento de alta foi rápido, e a moeda chegou a perder 80% do seu valor desde então. No entanto, um feliz investidor que tivesse adquirido o token logo no início do ano e tivesse vendido no topo histórico em maio, precisaria de somente R$ 2 para se tornar um milionário.

Usuários tentam replicar esses ganhos investindo em diversos projetos em estágio inicial, mas é preciso ficar atento: de olho nesse público, criadores anônimos aproveitam a empolgação para lançar criptomoedas suspeitas e aplicar golpes.

O artigo Criptomoeda subiu 50.000.000% e fez R$ 1 milhão com R$ 2; veja melhores do 1º semestre foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos