Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.266,63
    +29,29 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Criptomoeda do Mercado Livre pode valorizar nos próximos meses, diz Dhiego Rosa

Mercado Coin, criptomoeda do Mercado Livre
Mercado Coin, criptomoeda do Mercado Livre

O Mercado Livre anunciou recentemente o lançamento da própria criptomoeda, que começará a ser vendida exclusivamente no Brasil neste primeiro momento. Trata-se da Mercado Coin, que será usada, também, como cashback para clientes que compram no site.

A cripto, feita em parceria com a plataforma Ripio, vai começar custando 10 centavos de dólar, algo em torno de R$ 0,50, na cotação atual. Mas a expectativa é que esse valor ganhe muito valor em um curto espaço de tempo, como avalia o especialista Dhiego Rosa.

“Haverá valorização, com certeza. Esses 10 centavos de dólar é o preço de entrada na plataforma. Conforme aumentar a demanda, conforme mais usuários usem a moeda, essa demanda aumenta e o preço tende a subir. Afinal, o Mercado Livre vai colocar uma quantia limitada no mercado. A moeda tem que ser escassa justamente para ter valor”, fala o empresário, que é também expert em vendas no Mercado Livre.

Para ele, a novidade vai possibilitar, ainda, mais vendas pelo site para países vizinhos, ainda que a moeda, em si, só esteja valendo para o Brasil por enquanto. “Comprar e vender na Argentina, Chile, Bolívia, pode ficar mais fácil. É uma sacada muito boa, principalmente para a plataforma. Para nós, vendedores, ainda é novidade e é cedo para dizer se terá mais vantagem ou não, mas acredito que a cripto atrairá muitos usuários para o site, aumentando as vendas como um todo”, avalia.

E continua: “A grande vantagem que já dá para enxergar é a estratégia do cashback. Até para aumentar a aderência da criptomoeda. Se você tem cashback em suas compras e ele é em criptomoeda que só pode ser usada para comprar mais, você vai acumulando isso de alguma forma e, nesse caso, vai reverter em novas experiências no site”.

Até o fim deste mês, o Mercado Livre espera que que cerca de 80 milhões de usuários já tenham acesso à cripto. Segundo a companhia, ainda não há expectativa de permissão para mover esses valores do site para outras carteiras digitais, mas já existe a possibilidade de isso acontecer no futuro.

“No final, essa criptomoeda toda será revertida em dinheiro mesmo, porque a pessoa vai usar a cripto ganhada com cashback para comprar mais, então vai ‘dar na mesma’. A moeda estar disponível só no Brasil também mostra a relevância do País dentro da plataforma, já que somos mesmo líderes de compra, acho que em segundo lugar está o México. E a expectativa da cripto como produto é superpositiva”, conclui.

Fonte: Livecoins