Mercado abrirá em 38 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,77
    -1,18 (-1,60%)
     
  • OURO

    1.810,10
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    39.264,86
    -2.459,97 (-5,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    959,17
    +9,27 (+0,98%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.078,21
    +45,91 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.027,25
    +71,50 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1387
    -0,0493 (-0,80%)
     

Criminosos revelam como conseguem senhas de banco de iPhones roubados

·2 minuto de leitura
Criminosos revelam como conseguem senhas de banco de iPhones roubados
Criminosos revelam como conseguem senhas de banco de iPhones roubados

Criminosos presos no final de 2020 intrigaram a polícia, os técnicos forenses e os maiores especialistas em segurança de sistema do Brasil ao afirmarem que conseguiam desbloquear todos os modelos de iPhone.

Uma série de reportagens feitas pela Folha de S. Paulo, desde o mês passado, abordou a explosão desse tipo de crime no país.

Leia também:

Segundo a reportagem, os bandidos conseguiam realmente efetuar o desbloqueio de todos os tipos de iPhone, até a série 11. Quando a quadrilha foi presa, no fim do ano passado, o iPhone 12 ainda não havia sido lançado no Brasil.

De acordo com o delegado responsável pela prisão da quadrilha, a técnica utilizada era muito mais simples do que se pensava.

Eles apenas retiravam os chips dos aparelhos furtados e o inseriam em um aparelho desbloqueado. Em seguida, faziam pesquisas nas redes sociais das vítimas para saber qual a conta estava vinculado aquele número de linha.

Na sequência, eles buscavam o endereço de email que a vítima utilizava para backup de conteúdo do aparelho, principalmente em nuvens iCloud e Google Drive.

Então, ao baixar as informações da nuvem no novo aparelho, os bandidos buscavam ali qualquer informação ligada à palavra “senha”, e, segundo o delegado, assim obtinham os números de acessos ao celular e às contas bancárias.

Feito isso, os chips eram novamente inseridos nos celulares das vítimas. Com as senhas em mãos, os criminosos repassavam os aparelhos para o membro da quadrilha responsável pelo acesso às contas e pela transferência de todo valor possível para contas de laranjas.

Sobre os aplicativos bancários, a Federação Brasileira de Bancos afirma que eles contam com elevado grau de segurança desde o desenvolvimento até a utilização, não existindo qualquer registro de violação de segurança.

Já a Apple afirmou que não vai se manifestar sobre isso.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos