Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.564,07
    +603,92 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Criminosos chineses usam falhas Log4J para invadir empresas

·1 min de leitura

A firma de segurança digital CrowdStrike descobriu uma tentativa por um grupo de criminosos virtuais da China de tentar invadir uma instituição acadêmica a partir do uso de vulnerabilidades do Log4j, que permitem invadir uma versão vulnerável do VMWare Horizon.

Segundo informações divulgadas pela firma de segurança, o grupo responsável pela tentativa se chama Aquatic Panda, está em atividade pelo menos desde maio de 2020 e seus ataques tem como objetivo espionagem industrial para coleta de informações.

Embora o ataque específico que fez uso do Log4j tenha sido bloqueado antes de ser completo, CrowdStrike diz que o grupo tem como modus operandi deixar caminhos que possibilitem a persistência dos ataques, para poder roubar informações das empresas no futuro. O alvo do grupo são principalmente companhias de telecomunicações, tecnologia e setores governamentais.

Perigo mundial

<em>Problemas causados pela Log4j estão deixando o cenário de segurança virtual inquieto. (Imagem: Divulgação/Debricked)</em>
Problemas causados pela Log4j estão deixando o cenário de segurança virtual inquieto. (Imagem: Divulgação/Debricked)

Em comentários para o site ZDNet, pesquisadores do CrowdStrike revelaram que desde a identificação da vulnerabilidade Log4j no começo de dezembro, eles têm observado cada vez mais grupos criminosos com origens no Irã, China e Coreia do Norte usando as falhas para ganharem acesso a sistemas.

Tudo isso colabora com o cenário preocupante da vulnerabilidade que, mesmo com constantes correções, tem cada vez mais novas variações são descobertas. Segundo dados da Check Point Research, já são mais de 4 milhões de incidentes registrados no mundo, com metade das redes empresarias do Brasil afetadas.

A situação é tão urgente que o governo brasileiro optou por emitir um alerta sobre o perigo da falha, principalmente em relação ao roubo de criptomoedas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos