Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.446,92
    +493,74 (+2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Contra superpopulação, metaverso discute criação de crianças 'tamagotchi'

Human embryo connected to the lines of a printed circuit board. Artificial womb. Polygonal design. Blue background.
Especialista defende criar filhos através do metaverso (Getty Image)
  • Catriona Campbell afirmou que bebês virtuais podem ser o futuro

  • Ela comparou a criação de uma criança ao Tamagotchi

  • Medida foi indicada para combater a superpopulação

Teve quem achou que a Wanda tinha enlouquecido quando viajou pelo multiverso só para encontrar os filhos que não existiam na vida real. No entanto, se depender da ideia de uma escritora, a personagem pode ser considerada visionária.

Em entrevista ao jornal The Telegraph, a especialista em inteligência artificial Catriona Campbell defendeu a criação de “bebês virtuais” no metaverso para pessoas que desejam ter filhos.

No livro "AI by Design: A Plan For Living With Artificial Intelligence" ("IA por Design: um Plano para Conviver com a Inteligência Artificial") a autora compara crianças com o Tamagotchi, famoso bichinho de estimação virtual japonês que fez sucesso nos anos 90.

Para defender a tese, ela citou os impactos “devastadores” que o crescimento desordenado da população mundial está tendo no meio ambiente. A especialista ainda disse que “dentro de 50 anos, a tecnologia vai ter avançado tanto que bebês que existem no metaverso serão indiferenciáveis daqueles do mundo real".

Na hipótese fictícia, os bebês seriam vendidos em mercado e receberiam os filhos com rostos e corpos fotorrealísticos, capazes de interagir e responder amavelmente, através de reconhecimento facial e análise de voz. Ao contrário da vida real seria possível escolher se eles devem crescer e entrar na fase implicante da adolescência ou permanecer como criancinhas fofas.

"À medida que o metaverso evolui, acredito que crianças virtuais se tornarão uma parte aceita e totalmente bem-vinda da sociedade em muitos dos países desenvolvidos", explica Campbell.

Por custar menos, essa configuração família poderia ser uma alternativa para as 10% das pessoas que disseram ao estudo da YouGov que não queriam gestar devido a quantidade de dinheiro necessária para sustentar um outro ser humano, defende a tese.

Enquanto não temos acesso ao metaverso (ou ao multiverso), o jeito é escolher se pretende ou não gerar mais uma pessoa para o mundo real.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos