Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.649,83
    +1,84 (+0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.640,32
    -158,06 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,50
    +0,22 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.766,30
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    61.125,64
    +454,13 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.425,82
    -25,81 (-1,78%)
     
  • S&P500

    4.484,57
    +13,20 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.246,10
    -48,66 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.283,50
    +149,00 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4066
    +0,0028 (+0,04%)
     

Crianças expostas à violência doméstica têm mais problemas neurológicos

·1 minuto de leitura

De acordo com uma pesquisa publicada no Maternal Child Health Journal, crianças expostas à violência doméstica têm mais probabilidade de ter problemas de desenvolvimento neurológico, e isso vem desde o nascimento: se o bebê é exposto à violência de um dos pais, geralmente apresenta um desenvolvimento mais lento e resultados adversos durante o crescimento.

Para realizar a pesquisa, os autores coletaram amostras de 239 mulheres grávidas que foram vítimas de violência doméstica. Os pesquisadores acompanharam os bebês das mulheres por 12 meses após o nascimento, medindo seus riscos de atraso no desenvolvimento neurológico. Eles também examinaram quaisquer ligações entre esse atraso no desenvolvimento e o número de parceiros que a mãe teve durante os 12 meses.

Eles descobriram que os filhos daquelas que tiveram um único parceiro abusivo durante a gravidez e nos 12 meses seguintes apresentaram maior risco de atrasos no desenvolvimento, enquanto aquelas com múltiplos parceiros apresentaram menor risco.

(Imagem: Liv Bruce/Unsplash)
(Imagem: Liv Bruce/Unsplash)

Os autores do artigo mencionam que quando os pais são mais violentos com suas parceiras durante a gravidez, acabam expondo o feto e afetando seu desenvolvimento ainda no útero por meio de alterações epigenéticas.

Ainda segundo essa análise, crianças expostas à violência doméstica têm resultados significativamente piores na vida, incluindo notas escolares e comportamentais, doenças e estresse. Os autores afirmam que é extremamente importante que as mães nessas situações sejam ajudadas da melhor maneira possível, para evitar danos a longo prazo não apenas para elas, mas também para as crianças. O estudo completo por ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos