Mercado fechará em 3 h 18 min
  • BOVESPA

    129.543,48
    -664,48 (-0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.914,26
    -115,28 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,82
    +0,94 (+1,33%)
     
  • OURO

    1.854,90
    -11,00 (-0,59%)
     
  • BTC-USD

    40.184,79
    +155,96 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,35
    -9,26 (-0,92%)
     
  • S&P500

    4.245,78
    -9,37 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.267,29
    -126,46 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.067,50
    -57,25 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1615
    +0,0300 (+0,49%)
     

Crianças com sequelas da COVID-19 podem se recuperar em 6 meses, diz pesquisa

·1 minuto de leitura

A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) vem protagonizando diversos estudos, principalmente considerando a enigmática relação entre as crianças e a COVID-19. No entanto, uma recente pesquisa realizada pelo do departamento de doenças infecciosas pediátricas do Great Ormond Street Hospital (Londres) sugere que a maioria das crianças que desenvolvem essa síndrome após contrair COVID-19 vêem seus sintomas mais graves desaparecerem em seis meses.

O estudo é relativamente pequeno, considerando que envolveu menos de 50 crianças com a doença, mas os autores garantem que os resultados podem representar um otimismo cauteloso. A doença em questão envolve a inflamação de vários órgãos, como coração, pulmões, rins, cérebro, pele e olhos, de modo que as crianças afetadas podem apresentar febre, erupção cutânea, dor abdominal, vômito ou diarreia após o teste positivo para COVID-19, e geralmente precisam ser hospitalizadas.

(Imagem: Manuel Darío Fuentes Hernández/Pixabay)
(Imagem: Manuel Darío Fuentes Hernández/Pixabay)

O novo relatório acompanhou crianças por seis meses. Os pesquisadores analisaram informações de crianças hospitalizadas de abril a setembro de 2020. Uma vez internadas, todas as crianças apresentavam inflamação em todo o corpo: 98% delas apresentavam sintomas gastrointestinais, 52% sintomas neurológicos e 33% tinham sintomas cardíacos.

Porém, seis meses depois da internação, apenas uma criança (2%) ainda apresentava inflamação sistêmica, duas (4%) apresentavam consequências cardíacas e seis (13%) sintomas gastrointestinais. Nenhuma das crianças morreu. O estudo completo pode ser acessado gratuitamente na revista científica The Lancet Child & Adolescent Health.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: