Mercado abrirá em 5 mins
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,58
    +3,43 (+5,03%)
     
  • OURO

    1.796,70
    +8,60 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    57.072,25
    +2.519,47 (+4,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.428,58
    -26,83 (-1,84%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.132,04
    +88,01 (+1,25%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.215,50
    +164,50 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3328
    -0,0157 (-0,25%)
     

Crianças de 6 anos seriam "plano B" do Facebook após debandada de adolescentes

·3 min de leitura

Em meio a uma avalanche de conteúdos negativos, o Facebook tem lutado para desviar das acusações de impacto negativo sobre a mentalidade de adolescentes e ainda lidado com a perda de público dos mais jovens. Segundo um documento vazado da própria companhia publicado pela NBC, desde 2019, o uso do app por adolescentes caiu 13% e esse número poderia chegar a uma queda de mais 45% nos próximos dois anos.

Um memorando interno divulgado pela informante Frances Haugen revelou que a empresa teria chegado a considerar novos produtos direcionados a crianças a partir dos seis anos de idade. Essa seria parte de uma tática da plataforma para tornar a rede mais segura e privada para entregar uma experiência melhor para os jovens, o que implicaria em projetar do zero soluções para os menores de 13 anos — como o Instagram Kids, cujo desenvolvimento acabou suspenso devido à polêmica.

A empresa planejava ter produtos específicos até para crianças de seis anos (Imagem: Andrea Piacquadio/Pexels)
A empresa planejava ter produtos específicos até para crianças de seis anos (Imagem: Andrea Piacquadio/Pexels)

É claro que tudo parece não passar de uma hipótese, já que a Lei de Proteção à Privacidade Online das Crianças (COPPA) dos Estados Unidos limita bastante a atuação de empresas no direcionamento, coleta e compartilhamento de dados sobre crianças. O Facebook não poderia, por exemplo, fornecer nenhum dado a terceiro sem o consentimento dos pais, outro empecilho que precisaria ser resolvido para o negócio vingar.

Nos últimos meses, vários órgãos controladores, entidades de defesa dos direitos da criança e associações de pais posicionaram-se contra a iniciativa da rede de criar uma plataforma exclusiva para crianças. A ideia seria criar uma ferramenta nos moldes do Messenger Kids para que somente os pequenos possam conversar e jogar com seus amigos, sob total supervisão dos pais.

Segurança preocupante

Existe, porém, o temor de que os mecanismos de segurança sejam falhos e deixem os pequenos mais suscetíveis a ação de pedófilos, criminosos virtuais e empresas de publicidade. Há cerca de dois anos, um bug no app do Messenger for Kids permitiu a criação de chats em grupo com usuários não autorizados pelos pais — levou quase um ano para os desenvolvedores corrigirem a falha e mais um mês para que os pais fossem notificados.

A rede também enfrenta no Senado dos Estados Unidos uma forte pressão de parlamentares para adoção de medidas mais duras contra a rede, por violação da COPPA e por omissão. Um estudo interno sobre o Instagram revelou que as meninas adolescentes se sentem insatisfeitas com seus corpos e a rede social teria um forte impacto nisso.

O Facebook diz que a rede ajuda a identificar problemas típicos de adolescentes, embora ressalte alguns pontos negativos (Imagem: Reprodução/Facebook)
O Facebook diz que a rede ajuda a identificar problemas típicos de adolescentes, embora ressalte alguns pontos negativos (Imagem: Reprodução/Facebook)

Outra pesquisa do próprio Facebook teria revelado que 7% dos adolescentes relataram ter sofrido bullying, sendo 40% desses por meio de mensagens privadas no Instagram. Mesmo com a rede de contatos da criança restrita a seus "amigos", ainda assim há risco de expô-la a situações negativas.

Embora tenha desistido de lançar o Instagram Kids, o chefão da rede, Adam Mosseri, já declarou que ter um sistema desenvolvido sob medida para os menores de 13 anos é uma necessidade. Segundo ele, os jovens mentem a idade e conseguem acesso regular à plataforma dos adultos, algo que poderia ser atenuado com a versão específica para crianças

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos