Mercado fechará em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    108.760,55
    +930,82 (+0,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.839,48
    -496,03 (-0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,55
    +0,41 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.885,50
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    22.890,40
    -23,42 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    528,27
    -8,62 (-1,61%)
     
  • S&P500

    4.131,94
    -32,06 (-0,77%)
     
  • DOW JONES

    34.050,53
    -106,16 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.897,25
    +32,54 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.615,75
    -161,00 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6061
    +0,0290 (+0,52%)
     

Criança pode ter conta bancária? Veja como abrir e como ela funciona

PIX, cartão por aproximação, QR Code... Com a popularização dos métodos de pagamentos digitais, se torna cada vez mais interessante a ideia de abrir uma conta-corrente para crianças. Segundo o Banco Central, menores de 16 anos podem ser titulares de uma conta em uma instituição financeira, desde que tenham o consentimento dos pais ou um responsável legal.

Além de facilitar os pagamentos do dia-a-dia, a medida oferece mais segurança e ainda pode ser importante para um bom planejamento financeiro — além de ensinar aos filhos como cuidar do próprio dinheiro desde cedo. Confira três possíveis usos para a conta bancária para crianças, a seguir;

Possíveis usos de uma conta bancária para crianças

Mesada digital

Os pais podem realizar o pagamento da mesada diretamente pela conta bancária, de maneira que o menor de idade poderá acessar o dinheiro por um cartão de débito ou realizar pagamentos digitais.

Não realizar o pagamento em espécie é uma boa prática de segurança, pois evita que a criança seja furtada, perca o dinheiro por engano ou tenha problemas com pessoas de má-fé. Tendo acesso ao aplicativo, os pais podem identificar compras irregulares e denunciá-las, além de fazer o bloqueio do cartão.

Por fim, esta é uma ótima oportunidade para os responsáveis ensinarem na prática sobre educação financeira, incentivando a criança a gerenciar o próprio dinheiro e conseguir o que deseja — como comprar um jogo, por exemplo.

Ensinar o planejamento financeiro desde novos pode evitar que os jovens se endividam quando alcançarem a maioridade. (Imagem: CarlosBarquero/Envato)
Ensinar o planejamento financeiro desde novos pode evitar que os jovens se endividam quando alcançarem a maioridade. (Imagem: CarlosBarquero/Envato)

Pensão alimentícia

O valor, utilizado para custear despesas de filhos com menos de 18 anos, pode ser depositado diretamente na conta em que a criança é titular. Além dos benefícios já citados, essa opção permite que a criança declare o Imposto de Renda separadamente, o que pode reduzir o valor recolhido. No entanto, é importante ressaltar que, neste caso, o menor de idade não poderá constar como dependente de nenhum dos pais.

Poupança educacional ou reserva de emergências

A conta também poderá ser usada como uma maneira de criar uma reserva financeira para a criança, seja para uma eventualidade ou para planejar o futuro do seu filho.

Qual é a diferença entre uma conta tradicional e uma conta para menores de idade?

Ao abrir uma conta destinada para menores de idade, os pais terão acesso a mais recursos de segurança como determinar um valor máximo que pode ser utilizado diariamente e escolher usar somente o cartão de débito.

Como criar uma conta?

Serão necessários os dados básicos da criança, incluindo documentação como RG, CPF, certidão de nascimento e comprovante de residência. No entanto, o processo depende de cada banco. Conheça 5 contas digitais para menores de 18 anos.

Educação financeira

O Brasil bateu o recorde de inadimplentes em 2022, com a falta de controle sobre o dinheiro sendo uma realidade para muitos brasileiros. Segundo uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), das 813 pessoas ouvidas, cerca de 50% não controlam seus orçamentos.

Dentre as justificativas estão: confiar apenas na memória para anotar as despesas (25%), não fazer nenhum registro dos ganhos e gastos (20%) ou delegar a função para terceiros (2%). Portanto, para começar o ano com o pé direito, é fundamental entender a importância de organizar suas finanças e evitar o endividamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: