Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.782,90
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    66.000,86
    +1.746,16 (+2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.341,75
    -35,75 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4526
    -0,0670 (-1,03%)
     

Criança morre após infecção rara por "bactéria comedora de cérebros" nos EUA

·2 minuto de leitura

Os Estados Unidos confirmaram nesta semana a morte de mais uma criança vítima de um caso raríssimo de infecção por uma “bactéria comedora de cérebros” contraída em um parque aquático. O caso ocorreu na cidade de Arlington, no estado do Texas.

“Bactéria comedora de cérebro” é um nome popular para a Naegleria fowleri, um tipo de ameba que é normalmente encontrada no solo e em água doce, como rios e lagos. No entanto, ela também pode ser encontrada em piscinas que não são devidamente conservadas, sem o tratamento com cloro.

A bactéria entra pelo nariz de suas vítimas e consegue chegar até o cérebro. Ao chegar, ela começa a danificar os tecidos cerebrais, o que explica o seu apelido.

No caso da criança, que não teve nenhum detalhe sobre sua identidade revelada, ela foi diagnosticada com meningoencefalite amebiana primária no dia 5 de setembro. A morte aconteceu seis dias depois, no dia 11, mas só na segunda-feira (27) o caso foi comunicado pelas autoridades.

Bactéria se aloja em fontes de água não-tratada, o que pode incluir rios, lagos, e até piscinas (Imagem: Briana Tozour/Unsplash)
Bactéria se aloja em fontes de água não-tratada, o que pode incluir rios, lagos, e até piscinas (Imagem: Briana Tozour/Unsplash)

A cidade fechou o Don Misenheimer Park, onde a criança teria contraído a bactéria, e ainda fechou outras três fontes públicas da região.

Após investigação, as autoridades chegaram à conclusão de que o parque aquático não tomava as precauções adequadas com a qualidade da água. Entre as más práticas verificadas estavam a falta de testagem regular dos níveis de cloro. No dia seguinte à visita da criança, por exemplo, foi verificado que a concentração estava abaixo do mínimo.

Apesar de assustadores, os casos envolvendo a bactéria são raríssimos. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos relata apenas 34 casos durante toda a última década, e 30 deles se originaram em espaços com água.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos