Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.937,80
    -77,36 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Criadores de conteúdo pornô recorrem a sites que pagam em criptomoedas

Criadores de conteúdo pornô recorrem a sites que pagam em criptomoedas (Foto: Getty Images)
Criadores de conteúdo pornô recorrem a sites que pagam em criptomoedas (Foto: Getty Images)
  • Pagamentos em criptomoedas estão sendo feitos em plataformas similares ao OnlyFans;

  • As principais empresas financeiras e de tecnologia têm excluído contas de criadores de conteúdo;

  • A industria do sexo gera entre US$ 10 bilhões e US$ 12 bilhões por ano nos EUA.

Os criadores de conteúdo adulto estão se associando a plataformas baseadas em criptomoedas depois que as principais empresas financeiras e de tecnologia se moveram para cortá-los de pagamentos em dinheiro. A industria do sexo gera entre US$ 10 bilhões e US$ 12 bilhões por ano nos EUA.

“A indústria adulta é incrivelmente lucrativa, mas seu estigma implacável limita sua oportunidade de crescimento”, disse uma criadora do Instagram @jaigaux09 ao site The Post.

Sua solução foi ingressar no WetSpace, uma plataforma do tipo OnlyFans que processa pagamentos em criptomoeda e, portanto, não depende dos caprichos dos credores tradicionais.

“Meu negócio está fortalecido e se expandindo exponencialmente”, disse ela ao The Post.

Após o OnlyFans ameaçar retirar conteúdo sexualmente explícito da plataforma, a criadora Allie Rae, 38, fundou o WetSpace em março deste ano. Sua página OnlyFans era lucrativa – rendendo até US$ 250.000 por mês.

“Não estamos à mercê dos bancos, porque somos cripto e não respondemos a eles, portanto, não temos essa ameaça pairando sobre nós”, disse Rae, embora tenha acrescentado que o WetSpace instituiu salvaguardas e procedimentos de verificação para tornar certificar-se de que o conteúdo do site é fornecido por maiores de idade.

Rae acrescentou que a vantagem do site é “fornecer anonimato para os fãs ao não precisarem usar cartão de crédito para consumir esse tipo de conteúdo, e isso tem se mostrado de grande valia para esse público”.

O site aceita oito moedas estáveis, incluindo ethereum, tether, USD coin e dai.

A mudança para os pagamentos de criptomoedas ocorre quando a instituição financeira Wells Fargo enviou recentemente avisos a várias profissionais do sexo proeminentes, informando que suas contas seriam encerradas.

O Instagram, plataforma de mídia social de compartilhamento de fotos da Meta Platforms Inc., removeu na semana passada a conta do Pornhub, que em geral aderiu às regras do site e não apresentava nudez ou conteúdo sexual explícito.