Mercado abrirá em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,76
    +0,71 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.700,50
    +22,50 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    54.157,08
    +4.494,19 (+9,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,89
    +69,68 (+6,80%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.748,07
    +28,94 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.548,25
    +251,00 (+2,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Criadora de Counter-Strike planeja colocar jogos ‘dentro’ do seu cérebro

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Counter-Strike direto no cérebro? (Foto: AP Photo/ Joerg Sarbach)
Counter-Strike direto no cérebro? (Foto: AP Photo/ Joerg Sarbach)

Atualmente, jogando um game de tiro em primeira pessoa, como Counter-Strike ou Call of Duty, a sensação de imersão já é intensa. Com gráficos e sons cada vez mais realistas, não é difícil se pegar “dentro” do jogo, praticamente “sugado” pelo mundo poligonal.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Isso sem falar nas novas gerações de dispositivos de realidade virtual, como o Oculus do Facebook, que levam essa experiência a um nível ainda mais profundo de absorção.

Leia também:

Mas Gabe Newell, o fundador da desenvolvedora Valve, criadora de Half-Life e seu popular mod Counter-Strike, quer levar essa ideia a um patamar ainda mais ousado.

Ele quer colocar os jogos literalmente dentro do seu cérebro – através de interfaces cérebro-máquina.

A tecnologia é semelhante à experimentada pela Neuralink de Elon Musk, e a proposta é acessar diretamente os neurônios para interagir com eles e modificar sua experiência da realidade (lembrando que tudo que vemos e sentimos ao nosso redor é o fruto da recepção de sinais elétricos pelo nosso cérebro através dos sentidos).

No caso de Musk, a estratégia é fazer isso por via cirúrgica.

Pelo que Newell falou em entrevista à rede neozelandesa 1 News, ele vê um futuro para dispositivos menos invasivos, que interagem remotamente com o cérebro.

Assim, desenvolvedores poderiam fazer os jogadores entrarem, literalmente, nos universos de realidade virtual projetados por eles.

Exatamente como vimos na saga “Matrix”, mas esperamos que sem a parte das máquinas sugando nossa energia como “pilhas” humanas.

“Mas a coisa fica estranha quando você for ‘editável’ através de uma interface cérebro-máquina”, disse Newell. Ele vê um futuro onde nosso humor, e até ciclos de sono, poderiam ser alterados dessa maneira. Sentindo-se triste? Que tal mudar isso com um apertar de botão?

“Se você for um desenvolvedor de software em 2022 e não tiver um desses no seu laboratório de testes, você está cometendo um erro bobo”, disse o chefão da Valve.

Mas ele também reconheceu os perigos:

“Ninguém quer dizer, ‘você lembra do Bob? Lembra quando o Bob foi hackeado por aquele malware russo? É, isso foi um saco. Ele ainda está correndo pelado pelas florestas?’”

Com informações da The Next Web.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube