Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.063,29
    -93,40 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Criadora da vacina da Pfizer/BioNTech contra COVID já tem próximo alvo: o câncer

Fidel Forato
·4 minuto de leitura

Cientista por trás da primeira geração de vacinas contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) e co-fundadora da empresa alemã de biotecnologia BioNTech, Özlem Türeci já tem planos para quando a pandemia da COVID-19 acabar: novas soluções para o combate do câncer. Para isso, a pesquisadora investirá na mesma tecnologia adotada pelo imunizante da Pfzier/BioNTech, o RNA mensageiro (mRNA).

Antes da descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, Türeci e seu companheiro Ugur Sahin — presidente-executivo da BioNTech — já investigavam uma maneira de controlar o sistema imunológico do corpo para combater tumores e melhorar a qualidade de vida dos pacientes oncológicos. No entanto, todas essas pesquisas foram paralisadas diante da emergência global da COVID-19.

Responsável pelo desenvolvimento da vacina da Pfizer/BioNTech, Ozlem Türeci vai combater o câncer (Imagem: Reprodução/ BioNTech/ Wikipédia)
Responsável pelo desenvolvimento da vacina da Pfizer/BioNTech, Ozlem Türeci vai combater o câncer (Imagem: Reprodução/ BioNTech/ Wikipédia)

Para o combate do câncer, a cientista, nascida na Alemanha e filha de imigrantes turcos, pesquisava sobre o tema há duas décadas e desenvolvia o Lightspeed project. O projeto, que envolve mRNA, foi a base para a formulação da vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19.

Vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19

Após 11 intensos meses de pesquisas e testes, a vacina da Pfizer/BioNTech foi concluída em um tempo recorde na história dos imunizantes com uma taxa de eficácia de 95%. Em seguida, o Reino Unido autorizou o seu uso emergencial e, em poucas semanas, os Estados Unidos e mais uma série de países fizeram o mesmo. Hoje, dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo já receberam pelo menos uma dose do imunizante contra a COVID-19.

“Vale a pena tomar decisões ousadas e confiar que, se você tiver uma equipe extraordinária, será capaz de resolver qualquer problema e obstáculo que surgir em tempo real”, explicou Türeci sobre a ideia de abondar temporariamente os estudos sobre o câncer e focar na COVID-19, durante entrevista para a Associated Press.

Naquele momento, a BioNTech era uma pequena empresa sediada na cidade alemã de Mainz e que não tinha estrutura para conduzir testes clínicos de grande escala em diferentes regiões do globo e nem para gerir uma cadeia de produção que atendesse a demanda global por vacinas. Para isso, a BioNTech se juntou à farmacêutica norte-americana Pfizer e também recebeu aporte da chinesa Fosun Pharma. Sem a cooperação entre esses diferentes players, Türeci comentou que o imunizante não seria uma realidade.

“O processo de aprovação de um medicamento ou vacina é aquele em que muitas perguntas são feitas, muitos especialistas estão envolvidos e há revisão por pares externos de todos os dados e discurso científico”, afirmou sobre os desafios do desenvolvimento da primeira vacina contra a COVID-19 aprovada no ocidente. “Existe um processo muito rígido, e ele não para depois que a vacina é aprovada”, completou Türeci.

Tecnologia inédita do mRNA em vacinas

Até então uma tecnologia inédita no combate aos vírus, as vacinas fabricadas pela Pfizer/BioNTech e pela Moderna adotaram o mRNA como estratégia de promover a imunização contra a COVID-19. Na fórmula de ambos os imunizantes, um mRNA sintético — desenvolvido em laboratório — ensina a célula da pessoa a produzir proteínas, e com isso gera uma reação de anticorpos contra a espícula do coronavírus (a coroa).

Aplicada nas vacinas contra a COVID-19, tecnologia de mRNA mensageiro deve combater o câncer (Imagem: Reprodução/ Jubjang/ Rawpixel)
Aplicada nas vacinas contra a COVID-19, tecnologia de mRNA mensageiro deve combater o câncer (Imagem: Reprodução/ Jubjang/ Rawpixel)

Após o processo de imunização, se a pessoa entrar em contato com o SARS-CoV-2, o seu organismo estará preparado com anticorpos e outras células do sistema de defesa para destruir essas espículas e, dessa forma, impedirá que a infecção da COVID-19 se instale. Em outras palavras, o mRNA leva uma espécie de receita para o organismo de como combater a infecção viral. Agora, este mesmo princípio deve ser aplicado para fazer o sistema imunológico combater os tumores.

Vacinas de mRNA contra o câncer

Com os novos aportes financeiros que a empresa de biotecnologia recebeu durante a pandemia da COVID-19, a corrida por soluções contra o câncer serão turbinadas agora. Quando perguntada sobre as expectativas dessas novas ferramentas oncológicas estarão disponíveis, Türeci explicou que “isso é muito difícil de prever. Mas esperamos que dentro de apenas alguns anos também tenhamos nossas vacinas contra o câncer em um lugar onde possamos oferecê-las às pessoas”.

Nesta sexta-feira (19), o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier concedeu á dupla por trás da BioNTech, Türeci e Sahin, uma das maiores condecorações do país, a Ordem do Mérito, durante uma cerimônia com a presença da chanceler Angela Merkel. “Vocês começaram com um medicamento para tratar o câncer em um único indivíduo”, afirmou Steinmeier. “E hoje temos uma vacina para toda a humanidade”, completou o presidente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: