Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.609,89
    +1.475,92 (+2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Criador diz já ter a ideia de The Last of Us 3, mas game não está em produção

Felipe Demartini
·3 minuto de leitura

Neil Druckmann já sabe a história que quer contar em um eventual The Last of Us Parte 3, mas deixou claro desde já que a continuação ainda não está em produção. Segundo ele, as linhas gerais da trama de uma sequência já foram escritas por ele, que é copresidente da Naughty Dog, e Halley Gross, roteirista do segundo título da franquia, mas os detalhes não foram divulgados.

Para o antigo diretor criativo, não é hora de falar disso já que nem mesmo a produção do jogo foi confirmada. Segundo Druckmann, falando ao podcast Script Apart, a ideia seria explorar um pouco mais do que aconteceu após os eventos de The Last of Us Parte 2. Ou seja, é provável que o argumento envolva Ellie e Abby, as protagonistas do segundo título, mas, como dito, nada realmente foi revelado.

O motivo para isso, segundo ele, é simples. Enquanto existem, sim, discussões internas sobre o desenvolvimento de um terceiro jogo, esse também é um trabalho de anos, que envolve centenas de pessoas e muita dedicação. The Last of Us Parte 2, por exemplo, levou sete anos entre a criação de sua história inicial, após o lançamento do primeiro, e o momento em que o título efetivamente chegou às lojas, em meados do ano passado. Para Druckmann, é preciso que a equipe se sinta desafiada e encantada com a ideia para quer todo esse esforço valha a pena.

Mais do que tudo isso, Druckmann explica que, após o lançamento de um jogo desse tamanho, a Naughty Dog gosta de explorar possibilidades que podem variar desde sequências até novas produções ou o retorno a uma marca antiga. É daí que surge o comprometimento com um trabalho quem, como dito, implicará no envolvido dos produtores pelos próximos anos, com a balança entre questões monetárias, profissionais, temporais e de paixão pelos projetos sendo consideradas antes de os trabalhos efetivamente começarem.

No caso de The Last of Us, por exemplo, o que levou esse equilíbrio para o lado do “sim” foram as histórias universais e altamente pessoais dos personagens, além da tentativa de levar os conceitos da franquia adiante. Segundo ele, agora que a marca tem uma sequência, os fãs e o próprio estúdio podem reconhecer padrões em termos de abordagem e estrutura, sabendo um pouco mais do que esperar de uma continuação. Druckmann, entretanto, não deixa claro se isso, no final das contas, é bom ou ruim.

Seja como for, a verdade é que o projeto atual da Naughty Dog é desconhecido. Rumores apontam para um novo Uncharted, uma franquia inédita, um título multiplayer do universo de The Last of Us ou até, no rumor mais recente e maluco, um remake do primeiro jogo da franquia. Oficialmente, porém, nada foi revelado.

Para a marca, mais especificamente, o horizonte aponta para a adaptação de The Last of Us, que está em produção pela HBO. A série será protagonizada por Pedro Pascal (O Mandaloriano) e Bella Ramsey (Game of Thrones), com roteiros escritos pelo próprio Druckmann e Craig Mazin, de Chernobyl, com a dupla também atuando como showrunners. A trama deve trazer a história dos games em um novo formato, mas os detalhes ainda não foram revelados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: