Mercado fechará em 24 mins
  • BOVESPA

    107.559,01
    +700,14 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.701,24
    +95,68 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,25
    +2,76 (+3,97%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    51.034,05
    +1.875,84 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.315,33
    -5,95 (-0,45%)
     
  • S&P500

    4.687,91
    +96,24 (+2,10%)
     
  • DOW JONES

    35.737,00
    +509,97 (+1,45%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.321,00
    +478,25 (+3,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3433
    -0,0803 (-1,25%)
     

Criado com alarde, comitê entre Poderes de combate à Covid foi encerrado sem anúncio oficial

·2 min de leitura

Anunciado com pompa em março — após uma reunião no Palácio da Alvorada que contou com os chefes dos Três Poderes, quase todos os ministros do governo federal, governadores e representantes da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Tribunal de Contas da União (TCU) — o comitê de combate à Covid-19, que reunia Executivo e Legislativo, foi sendo esvaziado aos poucos e acabou esquecido, sem um anúncio oficial de seu fim.

A sétima e última reunião ocorreu em junho. Uma oitava reunião chegou a ser marcada para julho, mas foi cancelada devido a um problema médico do presidente Jair Bolsonaro. Ao GLOBO, o Ministério da Saúde informou na semana passada que "as atividades do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentando da Pandemia da Covid-19 foram encerradas, já que não houve ato de prorrogação".

Questionada sobre um balanço da atuação do grupo, a pasta informou apenas que as sete reuniões "trataram de ações estratégicas de combate à pandemia".

Entretanto, não há detalhes sobre essas ações: nem a Presidência, nem a Casa Civil nem o Ministério da Saúde registraram atas das reuniões, conforme responderam a pedidos feitos via Lei de Acesso à Informação (LAI).

O comitê foi criado em meio ao crescimento da segunda onda da pandemia, quando a média móvel de mortes diárias passava de 2 mil. Bolsonaro havia acabado de demitir Ernesto Pazuello do Ministério da Saúde, em uma tentativa de dar uma guinada na ações de combate à Covid-19.

Participavam Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), além de observadores do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

A lista de presença indica parte do prestígio do comitê: Arthur Lira compareceu apenas à primeira reunião. No segundo e no quarto encontro, enviou um representante — o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ). Nos demais, nem representante enviou.

Pessoas próximas de Lira relatam que ele considerava as reuniões pouco produtivas. Procurada, a assessoria do presidente da Câmara afirmou que nas datas das reunião havia projetos importantes em votação, incluindo pautas relacionadas à pandemia.

O número de participantes das reuniões também foi diminuindo: chegou a 14, incluindo ministros do governo federal, mas nos últimos encontros ficou entre nove e dez.

Além disso, as declarações à imprensa foram reduzidas. Após a primeira reunião, falaram Lira, Pacheco e Queiroga. Depois do segundo encontro, Queiroga e Pacheco. Após a terceira reunião, somente Queiroga. Nos encontros seguintes não houve pronunciamentos.

Os principais anúncios concretos feitos após as reuniões foram antecipações do de entregas de vacinas da Pfizer e do consórcio da Covax Facility.

A Presidência da República e a Presidência do Senado também foram procuradas para comentar o fim do comitê, mas não retornaram

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos