Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,09
    -0,54 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.784,70
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    57.105,93
    +2.799,05 (+5,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,42
    +63,12 (+4,49%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    29.145,95
    +333,32 (+1,16%)
     
  • NASDAQ

    13.502,25
    +11,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4259
    -0,0010 (-0,02%)
     

Criada rede sul-americana de instituições científicas para estudo e controle de epidemias

·2 minuto de leitura
Enfermeira prepara dose de vacina anticovid da Pfizer para aplicação no hospital Pablo Arturo Suárez, em Quito, 21 de janeiro de 2021

O Instituto Pasteur (IP) de Montevidéu anunciou nesta quinta-feira (29) a criação de uma rede sul-americana de instituições científicas dedicadas à pesquisa e inovação epidemiológica, que será financiada pelo governo francês.

"As crises são oportunidades. Nas crises é preciso olhar para longe e não ficar no agora", disse o presidente do IP de Montevidéu, Carlos Batthyány, em entrevista coletiva por ocasião da assinatura do acordo com a Embaixada da França no Uruguai.

A rede, coordenada pelo IP e que incluirá instituições do Equador, Bolívia e Paraguai, tem como objetivo fortalecer a capacidade dos sistemas regionais de saúde pública na identificação de patógenos e no diagnóstico de doenças infecciosas.

Seu objetivo é promover o estudo e controle de possíveis epidemias para compreender os modos de transmissão e a dinâmica da evolução dos organismos patogênicos.

Um dos objetivos imediatos do grupo será estudar as variantes predominantes do Sars-CoV-2 nos países participantes.

"O primeiro ponto que pretendemos abordar é a vigilância genômica em tempo real da movimentação das diferentes variantes do vírus" para saber quais são as cepas que predominam nos países que fazem parte da rede, informou Battyány.

O projeto será financiado com a contribuição de 600.000 euros do governo francês.

"Os desafios da saúde são globais. Os vírus e as pandemias não conhecem fronteiras. A resposta a este desafio também deve ser global", informou o embaixador da França no Uruguai, Hugues Moret, após ressaltar a importância no aumento dos investimentos em pesquisa científica.

A rede será formada pelo Centro de Inovação em Vigilância Epidemiológica do IP de Montevidéu, pela Universidade Mayor de San Andrés na Bolívia, no Equador pela Universidade de San Francisco, em Quito, e pelo Instituto Nacional de Pesquisas em Saúde Pública, e pelo Instituto de Pesquisas em Ciências da Saúde da Universidade Nacional de Assunção, no Paraguai.

A padronização de técnicas e ferramentas em nível regional ajudará a realizar análises conjuntas e comparativas que permitam maior precisão, rapidez e eficiência, segundo nota do IP.

O grupo se concentrará em três áreas de pesquisa: virologia molecular, sequenciamento em massa e identificação de novos patógenos e, por último, diagnóstico molecular com a aplicação de ferramentas robóticas.

gv/yo/bn/mvv