Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.547,78
    -1.458,14 (-4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Crescimento empresarial da zona do euro acelera em maio com recuperação de serviços, mostra PMI

·1 minuto de leitura
Cafés e restaurantes franceses reabrem a clientes na Place de la Contrescarpe em Paris

LONDRES (Reuters) - O crescimento empresarial da zona do euro acelerou em maio no ritmo mais forte em mais de três anos, uma vez que o ressurgimento do setor de serviços somou-se ao ímpeto da indústria, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Com mais empresas reabrindo --ou ao menos se adaptando aos lockdowns --o PMI Composto preliminar do IHS Markit subiu a 56,9 de 53,8 em abril.

Esse foi o nível mais alto desde fevereiro de 2018 e ficou confortavelmente acima da marca de 50 que separa crescimento de contração e da expectativa de 55,1 em pesquisa da Reuters.

"As medidas de contenção do vírus foram aliviadas em maio para o menor nível desde outubro, facilitando a melhora especialmente no setor de serviços, que foi acompanhada de outra expansão quase recorde da indústria", disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

O PMI preliminar de serviços subiu a 55,1 de 50,5 em abril e contra expectativa de 52,3, na sua máxima desde junho de 2018.

As empresas de serviços se beneficiaram da demanda reprimida, com o subíndice de novos negócios saltando a 56,7 de 49,7, patamar mais elevado desde janeiro de 2018.

O setor industrial enfrentou a pandemia de forma muito melhor do que o de serviços já que as fábricas permaneceram abertas. Seu PMI caiu a 62,8 ante a máxima recorde de abril de 62,9, mas acima da expectativa de 62,5.

(Reportagem de Jonathan Cable)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos