Mercado abrirá em 5 h 34 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,74
    +0,54 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.767,20
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    16.867,07
    +401,45 (+2,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,79
    +12,06 (+3,10%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.239,92
    +35,24 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.535,50
    +10,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4675
    +0,0109 (+0,20%)
     

Crescimento econômico da zona do euro desacelera com força no 3º tri

Restaurante em Marburg, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - O crescimento econômico da zona do euro desacelerou acentuadamente no terceiro trimestre, como esperado, mostraram dados preliminares nesta segunda-feira, destacando expectativas de que o bloco monetário cairá em recessão nos próximos trimestres.

A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, estimou que o Produto Interno Bruto nos 19 países que compartilham o euro subiu 0,2% em relação ao segundo trimestre e 2,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior, como esperado pelos economistas consultados pela Reuters.

Isto se compara a um crescimento trimestral de 0,8% e anual de 4,3% no período de abril a junho, quando a economia da zona do euro começa a sentir o impacto do aumento da inflação, especialmente dos preços da energia, após a invasão da Ucrânia pela Rússia, e o salto resultante nas taxas de juros.

A Alemanha, a maior economia da Europa, contrariou a tendência e relatou uma ligeira aceleração do crescimento no terceiro trimestre para 0,3%, de 0,1% no segundo trimestre, embora sua economia ainda tenha desacelerado em termos anuais.

Bélgica, Letônia e Áustria já registraram queda trimestral do PIB no período de julho a setembro.

(Reportagem de Jan Strupczewski)