Mercado abrirá em 3 h 24 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,04
    +0,29 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.726,20
    -7,40 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    51.188,06
    +2.180,73 (+4,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.024,65
    +36,55 (+3,70%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.698,27
    +84,52 (+1,28%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.165,25
    +110,00 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Crescimento do ecommerce foi diferente entre os países

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O empurrão que a pandemia deu no ecommerce teve diferentes impactos nas economias locais. Segundo pesquisa da Ipsos, em 28 países, quem mais aumentou a frequência das compras online foram os chilenos (59%), britânicos (55%), turcos e coreanos (54%). No Brasil, foram 47%, ainda acima da média mundial (43%). O reflexo disso é que 36% dos entrevistados brasileiros dizem estar comprando menos em lojas pequenas de comércio local por aqui. Essa média é maior do que no grupo total dos países (30%). O perfil do consumidor que migrou com mais força para o comércio eletrônico é, principalmente, de renda alta (49%), feminino (45%) e tem menos de 35 anos (45%), ainda segundo a pesquisa da Ipsos.