Mercado fechará em 5 h 10 min
  • BOVESPA

    117.555,33
    +357,51 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.059,67
    +213,84 (+0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,32
    +0,56 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.719,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    20.044,96
    +170,33 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,33
    -6,79 (-1,47%)
     
  • S&P500

    3.767,92
    -15,36 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    30.136,70
    -137,17 (-0,45%)
     
  • FTSE

    6.971,67
    -80,95 (-1,15%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,77 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.560,75
    -63,00 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1080
    -0,0282 (-0,55%)
     

Crescimento da economia na zona do euro no 2º tri é revisado para cima

BRUXELAS (Reuters) - O crescimento econômico da zona do euro foi mais forte do que o estimado anteriormente no segundo trimestre, mostraram dados nesta quarta-feira, com os gastos das famílias se recuperando após meio ano de estagnação, apesar do aperto na renda disponível em razão da inflação.

A Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, disse que o Produto Interno Bruto (PIB) nos 19 países que usam o euro aumentou 0,8% em relação ao trimestre anterior e 4,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em meados de agosto, o Eurostat estimava crescimentos de 0,6% e 3,9%, respectivamente.

A Alemanha quase não registrou crescimento, enquanto a França cresceu 0,5% em relação ao trimestre anterior e Itália e Espanha registraram expansão de 1,1%. O crescimento foi mais forte na Holanda, de 2,6%.

Alguns países, como Finlândia e Portugal, revisaram para cima suas estimativas de crescimento, enquanto Irlanda e Grécia registraram expansão sólida após não terem estimativas em meados de agosto.

O Eurostat disse que os gastos das famílias contribuíram com 0,6 ponto percentual para o crescimento da zona do euro, após participação zero nos dois trimestres anteriores. Os gastos do governo contribuíram com 0,1 ponto e a formação de capital com 0,2 ponto.

A contribuição do comércio externo foi de 0,1 ponto negativo.

(Reportagem de Philip Blenkinsop)