Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.194,96
    +1.158,49 (+2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Crescimento constante dos eSports deve mobilizar indústria tecnológica

·4 min de leitura

No mundo virtual, as indústrias de jogos e entretenimento continuam ganhando terreno sem parar, trazendo consigo novos paradigmas. Há alguns anos era impensável que os videogames se tornassem reconhecidos de forma profissional não apenas como passatempos e jogos, mas também como esportes. Porém, é essa a evolução que temos observado nos últimos tempos, especialmente quando pensamos no quanto a pandemia e o isolamento social imposto por ela nos forçaram a consumir muitos conteúdos digitais — até mesmo os esportes.

Embora os esports não sejam algo novo, eles continuam a crescer a passos largos. De acordo com um estudo do IPG Media Lab, 40% dos usuários da Internet na América Latina jogaram videogame durante a quarentena e 57,2% deles assistiram a conteúdo de esports pelo menos uma vez por semana. Quando falamos de um recorte nacional, a 8ª edição da Pesquisa Game Brasil (PGB) trouxe o dado de que o número de adeptos de jogos desse gênero cresceu 10,7% em relação a 2020, um salto de 44,7% para 55,4%.

Tudo isso contribuiu para uma tendência que já vinha se desenvolvendo: a ampliação do público de games. Este último dado mostra que não só existe um público que o pratica, mas também, tem gente que gosta da modalidade como um espectador e torcedor que acompanha um time tradicional.

Por exemplo, é notável que alguns grandes veículos do jornalismo esportivo tradicional já transmitem, noticiam e comentam sobre os esportes eletrônicos. Ou seja, não é absurdo pensar em um cenário em que, assim como a já muito instalada cultura do futebol em nosso país, onde grupos de amigos se reúnem para torcerem por clássicos como Corinthians x Palmeiras ou Fla-Flu, essa prática também passe a existir dentro do mundo dos esports, em um futuro cada vez mais próximo.

Mais dados da pesquisa da PGB corroboram isso, já que apenas 14,3% dos entrevistados disseram não consumir conteúdos relacionados a esfera dos esports ou acompanhar transmissões de partidas. Dentre os que consomem, 29% fazem isso por mais de três horas semanalmente.

Além disso, os esports atualmente seguem criando sólidas bases e se consolidando principalmente no mercado profissional. Segundo a própria PGB, muitos enxergam nos jogos eletrônicos uma forma de carreira, sendo que 30,5% dos jogadores receberam prêmios em dinheiro em competições. Esse crescimento em participação na modalidade passa a exigir uma profissionalização cada vez maior, recrutando profissionais de diversos setores para apoiar os jogadores de esports.

De especialistas em marketing, analistas de dados, fisioterapeutas e psicólogos do esporte, até analistas de performance ou treinadores, todos têm se tornado necessários para as demandas desse novo ecossistema.

A consultoria Newzoo afirmou que a América Latina tem 260 milhões de gamers, sendo que desse número, cerca de 88.4 milhões estão no Brasil. Além disso, segundo esses insights, é um mercado que pode gerar cerca de US$ 1 bilhão de renda para o mercado. Esses números reforçam o fato de que é uma tendência que não para de se expandir. Além disso, é um setor que necessita cada vez mais de uma gama de produtos que atendam às necessidades dos usuários. Ou seja, é uma modalidade que passou por uma grande evolução em um espaço de tempo relativamente curto, e as mudanças tecnológicas tiveram de acompanhar esse crescimento para poder suportar a expansão.

Para que diferentes equipes e organizações de esports pudessem se desenvolver, estabelecer-se como fortes competidores e também fortalecer o pilar da indústria, a tecnologia precisou correr atrás, digamos assim. Dentro desse leque de possibilidades, podemos elencar vários tipos de estruturas, desde processadores potentes e de alto desempenho, placas gráficas com excelentes imagens e performance, câmeras e microfones de excelente qualidade para os streamings e claro, cadeiras ergonômicas para evitar postura inadequada e assim, reduzir o risco de lesões, dentre outros inúmeros produtos.

Assim, atender essas necessidades mutáveis ​​à medida que esse cenário cresce contribui para o desenvolvimento dessa nova comunidade que foi construída e agora passa por seu momento de maior expansão.

Portanto, a indústria de tecnologia precisa também considerar, em meio ao desenvolvimento de novos produtos e soluções, que proporcionar aos jogadores as melhores experiências para que possam alcançar resultados de alto nível é essencial. Afinal, é um forma de acompanhar e promover o desenvolvimento do cenário não apenas no país, mas em todo o mundo, auxiliando-os a começar na modalidade, treinar, competir e obter o alto rendimento exigido em cada partida.

Combinando preparação física e mental, boas equipes e equipamentos que os acompanhem ao longo de sua atuação, estes são pilares que fazem a diferença para que os jogadores vivam excelentes experiências e assim, cresçam nesse meio ainda com poucos precedentes, mas que reserva um grande futuro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos