Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    -0,14 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.869,50
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    42.872,29
    -372,19 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.206,81
    -46,33 (-3,70%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.217,00
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4298
    -0,0003 (-0,00%)
     

Cresce temor de resistência da malária a tratamentos na África

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Mosquito transmissor da malária

Pesquisadores divulgaram nesta quinta-feira a primeira "prova clínica" de que as mutações resistentes aos medicamentos contra o parasita responsável pela malária ganham terreno na África.

O estudo, feito com crianças de Ruanda, constata pela primeira vez que essas mutações fazem com que o parasita persista após três dias de tratamento, como já havia sido demonstrado no Sudeste Asiático, quando começou a surgir a resistência ao principal medicamento, artemisinina.

A eficácia dos fármacos permanece alta, mas deve-se aumentar a vigilância em Ruanda e nos países vizinhos, adverte o estudo, publicado na "The Lancet Infectious Diseases".

A malária causou mais de 400 mil mortes no mundo em 2019, dois terços delas de menores de 5 anos. A grande maioria dos casos e mortes são registrados na África, segundo a OMS.

Os tratamentos a base de artemisinina combinados com outro fármaco (CTA/ACT) são os mais usados contra a malária, provocada por um parasita transmitido por mosquitos. A resistência aos medicamentos está associada a parasitas que portam mutações de um gene.

Algumas mutações já haviam sido detectadas em Ruanda, mas com menos frequência do que no novo estudo, e sem que houvesse sido demonstrada a persistência do parasita em crianças tratadas com artemisinina. A resistência ao medicamento foi identificada pela primeira vez no Camboja, em 2008.

Na região do Mekong, uma vez generalizada a resistência à artemisinina, com frequência ocorreu o mesmo com o fármaco associado, causando o fracasso do tratamento combinado (CTA). "A emergência de uma resistência parcial à artemisinina na África é um sinal de alerta de que a eficácia do CTA pode ser comprometida se surgir uma resistência ao fármaco associado", advertem os pesquisadores.

O estudo foi feito com 224 crianças de 6 meses a 5 anos infectadas pelo parasita em três cidades de Ruanda. Elas foram tratadas por três dias com a combinação terapêutica mais comum e acompanhadas por um mês com amostras de sangue semanais. Cerca de 15% ainda portavam parasitas detectáveis três dias após o tratamento.

BC/abb/laf/dlm/erl/mps/lb