Mercado fechará em 5 h 29 min
  • BOVESPA

    109.936,11
    -204,53 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,07
    +0,19 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.929,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    23.508,33
    -295,67 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,74
    -8,58 (-1,57%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.858,10
    +37,94 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.740,75
    -106,00 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5298
    +0,0401 (+0,73%)
     

Cresce pressão contra medida para o Carf no pacote de Haddad

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  28-12-2022, 12h00: O indicado ao ministério da Fazenda do governo Lula, Fernando Haddad. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 28-12-2022, 12h00: O indicado ao ministério da Fazenda do governo Lula, Fernando Haddad. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Deve crescer nos próximos dias a pressão de representantes empresariais contra o retorno do voto de qualidade no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), medida que foi anunciada no pacote econômico do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na semana passada.

A volta do mecanismo, que foi extinto em 2020 e serve como desempate em casos de discordância tributária entre Receita e contribuinte, desagradou empresários.

Nesta quarta-feira (18), a FecomercioSP envia ao Ministério da Fazenda e à Casa Civil uma manifestação com suas críticas à medida. Na avaliação da entidade, a mudança não deve impulsionar a arrecadação federal e sim aumentar a judicialização.

A FecomercioSP também reclama da expansão do poder conferido às delegacias regionais para julgar casos de maior valor. Com a mudança, elas poderão analisar processos que envolvam até mil salários mínimos —hoje, o corte é de até 60 pisos.

De acordo com a entidade, a ampliação fere a isonomia tributária e obriga os contribuintes a recorrerem ao Judiciário, o que prejudica, principalmente, empresas menores com poucos recursos.

Quando anunciou a medida, Haddad defendeu que o fim do voto de qualidade gerou prejuízo à União na casa dos R$ 60 bilhões por ano. Ele afirma que essa será uma forma de reduzir litígios fiscais pendentes no Carf.

A OAB São Paulo também questiona o retorno do voto de qualidade. Diz que é inconstitucional e que o governo Lula não levou o assunto para debate com a sociedade antes de reativá-lo na semana passada.

Roberto Quiroga, presidente da comissão especial de direito tributário da OAB-SP, afirma que a intenção de reduzir os litígios terá efeito reverso. A entidade considera a questão um "retrocesso" e vai encaminhar carta ao governo pedindo uma reunião para debater o assunto.

Na semana passada, quando anunciou o pacote econômico, Haddad disse que o estoque de processos no Carf ultrapassava R$ 1 trilhão. Para transformar esse dinheiro travado por questões jurídicas em ativos, o governo criou um programa de refinanciamento de dívidas e reativou o voto de qualidade.

Para a OAB São Paulo, atribuir ao contribuinte o problema do aumento do estoque de processos é errado. Além da pandemia, que suspendeu a análise dos processos, as greves dos auditores fiscais também contribuíram para o acúmulo de casos, diz a OAB.

"Não houve uma conversa do governo com a comunidade jurídica, com as empresas e os contribuintes, apenas com a Receita. Estamos pedindo uma audiência para que ele ouça o lado do contribuinte", disse Quiroga.

Organizações e associações do direito paulista, como o IASP (Instituto dos Advogados de SP), também vão assinar o documento.

Na semana passada, o grupo de empresários Esfera Brasil fez um apelo aos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, para barrar a medida no Congresso.

A Abrasca (associação de companhias abertas que reúne nomes como Ambev, Americanas, Cosan e Petrobras) também reclamou.