Mercado abrirá em 3 h 9 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,89
    +0,58 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.840,20
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    36.252,94
    +974,17 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    823,21
    +12,61 (+1,56%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.335,41
    +38,26 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.242,50
    -258,50 (-1,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2156
    -0,0131 (-0,21%)
     

Cresce parcela de brasileiros sem acesso a dieta saudável, indica agência da ONU

·3 min de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - Quase um quarto da população brasileira tem dificuldades para manter uma dieta saudável, com os nutrientes suficientes e balanceados, uma parcela que aumentou durante a pandemia de coronavírus. Além disso, 4% não consomem calorias em quantidade suficiente no país, mostram dois relatórios recentes publicados pela FAO (agência da ONU para agricultura e alimentação).

São quase 50 milhões de brasileiros que comem menos ou pior do que deveriam, num país que é um dos maiores exportadores de alimentos do mundo.

Maior economia da América Latina, o Brasil fica atrás do Chile, do Uruguai e da Costa Rica na porcentagem da população capaz de manter uma dieta adequada.

O relatório Estado da Comida e da Agricultura em 2021 mostra que, em 2018 (dados mais recentes), 14% da população não tinha recursos para comprar uma dieta saudável --produtos frescos, não ultraprocessados, que preservem a quantidade necessária de nutrientes como vitaminas e proteínas, entre outros-- e outros 10% estavam em risco de perder essa capacidade se sua renda se reduzisse em um terço.

Além disso, 2% não eram capazes de obter calorias suficientes e outros 2% deixariam de obtê-las com a mesma redução em seus rendimentos.

Na pandemia, porém, a perda de renda da população brasileira foi mais expressiva, de acordo com o relatório Estado da Segurança Alimentar e da Nutrição em 2021: 60% dos que tiveram suas receitas afetadas perderam mais de metade do valor, e outros 31% viram a renda cair entre 25% e 50% do valor. Segundo a FAO, isso indica que a porcentagem dos que deixaram de ter acesso a alimentos saudáveis ou às calorias necessárias é maior que a estimada anteriormente.

Em pesquisa Datafolha feita em maio deste ano, em média um a cada quatro brasileiros disse que a quantidade de comida na mesa para alimentar a família foi menor do que o suficiente nos últimos meses.

A agência da ONU considera que uma pessoa é incapaz de adquirir uma dieta saudável quando o custo desses alimentos supera 63% de sua renda, uma porcentagem baseada na média de dinheiro gasto com comida nos países mais pobres do mundo.

O alto custo da comida saudável e os altos níveis persistentes de desigualdade de renda, de acordo com a ONU, colocaram as dietas saudáveis fora do alcance de cerca de 3 bilhões de pessoas no mundo em 2019.

A FAO afirma que seus últimos quatro levantamentos anuais sobre segurança alimentar e nutrição no mundo revelam "uma realidade humilhante", muito distante da meta de acabar com a desnutrição até 2030, assumida em 2015.

No último ano, por causa da Covid, a porcentagem global de pessoas afetadas no mundo por fome e desnutrição cresceu de 8,4% para 9,9%: de 720 milhões a 811 milhões de pessoas comeram menos que o necessário. Só na América Latina e Caribe, esse número cresceu 14 milhões em 2020.

De forma geral, os principais entraves são conflitos, variabilidade climática, extremos climáticos e desacelerações econômicas, "especialmente onde a desigualdade é alta", e a pandemia de Covid "tornou o caminho para a meta ainda mais íngreme".

No caso do Brasil, o principal fator apontado para as lacunas de nutrição e segurança alimentar são os impactos do clima, de acordo com a FAO. A prevalência da subnutrição no país entre 2018 e 2020 ficou abaixo de 2,5%, mas a porcentagem da população cuja insegurança alimentar é considerada moderada ou grave --definido como a falta de garantia para comprar comida ou a possibilidade de diminuir ou piorar a alimentação por falta de dinheiro-- saltou de 18,3% no triênio de 2014 a 2016 para 23,5% entre 2018 e 2019.

"A menos que ações ousadas sejam tomadas, especialmente contra insegurança alimentar, desnutrição e desigualdades, a fome não será erradicada até 2030", afirma a agência, que prevê mais de 600 milhões de pessoas nessa contingência no final da década.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos