Mercado fechará em 3 h 35 min
  • BOVESPA

    125.578,57
    +966,54 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.260,45
    +349,92 (+0,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,24
    +0,59 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.799,60
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.816,37
    +2.089,01 (+5,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,90
    +5,97 (+0,64%)
     
  • S&P500

    4.402,58
    +1,12 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.967,77
    -90,75 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.017,75
    +70,00 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0908
    -0,0176 (-0,29%)
     

Cresce a participação feminina em conselhos administrativos

·1 minuto de leitura
Business people in large modern meeting room
Business people in large modern meeting room
  • 16% do colegiado das companhias de capital aberto são mulheres

  • No Brasil, a participação feminina em conselhos administrativos de grandes empresas é de 7%

  • No setor da diretoria o número de ocupação de cargos também é baixo

Após a última rodada das eleições para participações em conselhos administrativos, o número de mulheres selecionadas para compor o colegiado das maiores companhias de capital aberto subiu para 16,1%. Em 2019, apenas 11,4% das pessoas selecionadas eram do gênero feminino. As informações são do Valor Econômico.

Apesar do avanço, o número ainda é considerado pequeno. No Brasil, a porcentagem é ainda mais baixa. Apenas 7% do colegiado conta com a participação feminina na hora de tomar decisões estratégicas para as companhias. 

Leia também:

Um dos países com a maior taxa é o Canadá, com um quarto dos conselhos administrativos das 53 melhores empresas composto por mulheres.

Na Europa, a política de cotas é utilizada para incentivar a equidade de oportunidades. A Espanha conseguiu aumentar o índice para 20% de participação após a aprovação de uma lei que definia a quantidade mínima de mulheres em colegiados.

O setor da diretoria corporativa segue padrões semelhantes. No Brasil, apenas 13% das diretoras são mulheres. Contrariando o senso comum, um estudo do Peterson Institute aponta um aumento médio de 15% da receita em empresas com governança feminina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos