Mercado fechará em 6 h 16 min
  • BOVESPA

    125.589,93
    +977,90 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,08
    +0,43 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.796,10
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    39.710,39
    +1.042,39 (+2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,77
    +0,84 (+0,09%)
     
  • S&P500

    4.397,29
    -4,17 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    35.082,87
    +24,35 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.007,98
    +11,90 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.993,50
    +45,75 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0762
    -0,0322 (-0,53%)
     

Credores tentam barrar Samarco de pagar por danos com barragem

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O York Global Finance e os fundos do Ashmore Group Plc estão entre os credores que tentam barrar a Samarco de pagar por reparos sociais e ambientais decorrentes do rompimento de sua barragem em 2015.

A Samarco, produtora brasileira de minério de ferro pertencente à Vale e à BHP, está em recuperação judicial no Brasil e os credores pedem que a Justiça de Minas Gerais solicite à empresa que esclareça os detalhes das negociações sobre os custos das indenizações com as autoridades, segundo documento enviado nesta semana. Os mesmos credores também exigem que o tribunal peça à Samarco a suspensão dos pagamentos à Fundação Renova, que cuida dos reparos, e pedem para decidir sobre o assunto em assembleia. Eles esperam que a Vale e a BHP continuem pagando a indenização, como faziam antes de a Samarco retomar as operações.

Milhões de toneladas de lama tóxica e água foram expelidas sobre a paisagem brasileira quando a barragem de resíduos da Samarco desabou em 2015, matando 19 pessoas. A empresa enfrenta uma série de processos judiciais em decorrência do acidente e criou a Fundação Renova para cuidar do pagamento, inclusive das famílias vítimas.

Os mesmos credores haviam argumentado em uma petição anterior que a Vale e a BHP deveriam ser responsáveis, cada uma, por um terço dos custos ambientais e sociais decorrentes do rompimento da barragem, que quase destruiu duas pequenas vilas em Mariana, Minas Gerais. A empresa retomou a produção em dezembro pela primeira vez desde o desastre.

Em seu pedido de concordata em abril, a Samarco incluiu R$ 23 bilhões devidos à Vale e à BHP pelas linhas de crédito que as duas empresas concederam para pagar pelos danos do desastre da barragem e financiar as operações. Isso responde por quase metade dos R$ 50 bilhões de dívidas inadimplentes da Samarco.

A Renova já teve cerca de R$ 13 bilhões de custos de reparo e a Samarco calcula que precisará de mais R$ 17 bilhões para daqui para frente.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos