Mercado fechará em 3 h 4 min
  • BOVESPA

    109.215,88
    +239,18 (+0,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.002,01
    +333,37 (+0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,59
    -0,69 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.745,90
    -8,10 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    16.163,38
    -407,89 (-2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,18
    -2,11 (-0,56%)
     
  • S&P500

    3.991,67
    -34,45 (-0,86%)
     
  • DOW JONES

    34.095,33
    -251,70 (-0,73%)
     
  • FTSE

    7.494,92
    +8,25 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.712,00
    -70,75 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5892
    -0,0352 (-0,63%)
     

Credores da FTX podem chegar a mais de 1 milhão enquanto reguladores buscam respostas

Logo da FTX

Por Akriti Sharma e Daniel Leussink

(Reuters) - A bolsa de criptomoedas em colapso FTX esboçou uma "severa crise de liquidez" em pedidos de recuperação judicial nos EUA, que diziam que o grupo poderia ter mais de 1 milhão de credores, à medida que os reguladores abriam investigações e a piora no mercado cripto se espalhava com o Wall Street Journal relatando que a BlockFi estava planejando demissões e um possível pedido de falência.

Em pedido protocolado em um tribunal de falência dos EUA na segunda-feira, a FTX disse que estava em contato com dezenas de reguladores globais e havia nomeado cinco novos diretores independentes em cada uma de suas principais empresas, incluindo sua trading Alameda Research.

A bolsa, que estava entre as maiores do mundo, entrou com pedido de recuperação judicial na sexta-feira, em um dos maiores colapsos da indústria de criptomoedas, após traders retirarem 6 bilhões de dólares da plataforma em três dias e a bolsa rival Binance abandonar um acordo de resgate.

"A FTX enfrentou uma grave crise de liquidez que exigiu o arquivamento desses casos em caráter de emergência na última sexta-feira", afirmou o processo judicial.

O processo de recuperação judicial da FTX inclui mais de 100.000 credores, e esse número pode ultrapassar 1 milhão, segundo os documentos. Os números foram divulgados quando a FTX solicitou que várias empresas do próprio grupo apresentassem uma lista consolidada dos principais credores, em vez de listas separadas.

Os documentos também confirmam que a FTX respondeu a um ataque cibernético em 11 de novembro, depois de dizer no sábado que viu "transações não autorizadas" em sua plataforma.

A FTX contratou a Alvarez & Marsal como consultora financeira e disse que está em contato com a Procuradoria dos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC), a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) e dezenas de agências reguladoras federais, estaduais e internacionais nas últimas 72 horas.

Outros pares e parceiros da indústria cripto foram rápidos em se distanciar da FTX e divulgar suas finanças sólidas, embora alguns, incluindo a corretora de criptomoedas americana Genesis Trading, tenham divulgado que estão expostos à FTX, seja por manter tokens na bolsa ou por possuir o token nativo da FTX, FTT.

O FTT caiu cerca de 94% na semana passada, enquanto o bitcoin perdeu 22%.

O credor de criptomoedas BlockFi, que anteriormente reconheceu ter uma exposição significativa ao FTX, planeja demitir trabalhadores enquanto se prepara para declarar falência, informou o Wall Street Journal.

EXAME REGULATÓRIO

O colapso repentino da FTX, antes vista como um dos pilares da indústria cripto com uma avaliação de 32 bilhões de dólares em janeiro, provocou investigações de reguladores financeiros e outros órgãos de supervisão em todo o mundo.

Vários reguladores globais retiraram licenças de unidades FTX locais e estão investigando a empresa, e investigações do Departamento de Justiça dos EUA, SEC e CFTC também estão em andamento, disse à Reuters uma fonte com conhecimento das investigações .

Alguns argumentaram que os reguladores deveriam ter agido antes.

(Reportagem adicional de Anshuman Daga em Cingapura; escrito por Vidya Ranganathan, Alun John e John McCrank)