Mercado fechará em 15 mins

CORREÇÃO-Creditas levanta US$255 mi em nova rodada de captação

·2 minuto de leitura

(Corrige no 6º parágrafo receita em nove meses para 232,1 milhões de reais, não 78,8 milhões de reais)

Por Carolina Mandl

SÃO PAULO (Reuters) - A plataforma de crédito brasileira Creditas levantou 255 milhões de dólares em sua quinta rodada de captação para financiar a expansão internacional e impulsionar o crescimento de empréstimos, disse a fintech em um comunicado nesta sexta-feira.

Esta nova rodada, liderada pelo investidor de impacto LGT Lightstone, avaliou a Creditas em 1,75 bilhão de dólares, quase o dobro do valor que a fintech alcançou pouco mais de um ano atrás, disse o presidente da Creditas, Sergio Furio, em entrevista à Reuters.

Além da LGT, Tarsadia Capital, Welligton Management, e.ventures e Sunley House Capital, uma afiliada da Advent International, também investiram na Creditas nesta rodada de financiamento, bem como os investidores existentes SoftBank Group Corp 9984.T, Kaszek e Amadeus Capital Partners e VEF.

Fundada em 2012 por Furio, um ex-consultor espanhol, a Creditas se especializou em empréstimos garantidos por ativos como imóveis, automóveis e salários - algumas dessas linhas são evitadas por bancos tradicionais.

A Creditas planeja usar os recursos para financiar sua subsidiária recém-lançada no México, que começou a conceder empréstimos em julho, disse Furio, acrescentando que a fintech também pretende lançar novos produtos e serviços, sem fornecer detalhes. Novas contratações no setor de tecnologia estão no horizonte.

Furio disse que os recursos permitirão à Creditas dobrar sua carteira de empréstimos para mais de 2 bilhões de reais nos próximos 12 meses. A fintech encerrou setembro com 1,04 bilhão de reais em empréstimos e as receitas totalizaram 232,1 milhões de reais nos primeiros nove meses de 2020.

Quando a pandemia atingiu o Brasil em março, a Creditas decidiu desacelerar os desembolsos de empréstimos, pois temia um aumento da inadimplência e falta de funding para financiar novas operações, disse Furio. Em julho, porém, retomou os desembolsos, com a inadimplência sob controle, acrescentou o executivo.