Mercado abrirá em 5 h 44 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,22
    -0,54 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.802,00
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    23.883,96
    +116,67 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,32
    +15,45 (+2,85%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.481,49
    -0,88 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    20.049,73
    +3,96 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.214,00
    +30,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2164
    +0,0070 (+0,13%)
     

Credit vê ganho médio de 6,3 p.p. em margem de construtoras com mudanças no Casa Verde e Amarela

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Construção
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO (Reuters) - As construtoras MRV, Direcional e Tenda podem ganhar, em média, 6,3 pontos percentuais de margem bruta com as mudanças já anunciadas e em estudo nas regras do programa federal de habitação Casa Verde e Amarela (CVA), disseram analistas do Credit Suisse nesta quarta-feira.

A equipe do Credit estima que as medidas podem permitir elevação nos preços em 7% cada para MRV e Direcional, e em 13% para Tenda, o que poderia se traduzir em margem bruta de 29%, 39% e 25%.

Para comparação, a MRV fechou o primeiro trimestre com margem bruta de 19,8%, a Direcional com 35,7% (ajustada de 36%) e a Tenda com 19% (ajustada de 21,6%).

"Os reajustes do CVA são positivamente disruptivos para um setor que viu empresas fugindo da alta da inflação. As construtoras de baixa renda provavelmente poderão agora aumentar os preços e fortalecer suas margens sem comprometer a velocidade de vendas", escreveram Pedro Hajnal e Vanessa Quiroga.

O Conselho Curador do FGTS aprovou na semana passada elevação de limites de renda familiar mensal bruta para algumas faixas do programa, em tentativa de destravá-lo diante da alta de custos e queda da renda dos consumidores. Em maio, o governo já havia anunciado um acréscimo de 12,5% a 21,4% no subsídio às famílias no CVA.

Apenas essas duas alterações podem adicionar 3,4 pontos, em média, às margens das construtoras, segundo a equipe do Credit. Os analistas calculam que os ajustes permitem um aumento de preço por MRV, Direcional e Tenda em 3%, 3% e 8%, respectivamente, o que pode levar a elevações de margem em 2,1, 1,8 e 6,3 pontos.

Entre as medidas em estudo, o aumento do prazo de financiamento do FGTS de 30 para 35 anos, a ser analisado pelo Senado, pode adicionar mais 1,3 ponto percentual, em média, nas margens, segundo os analistas, ainda que acreditem ser mais provável uma prorrogação a 32 anos.

Além disso, o uso do FGTS nos financiamentos, também a ser analisado pelos senadores, tem o potencial de acrescer mais 1,7 ponto, em média, nas margens, de acordo com a equipe do Credit.

"Para simular a utilização dos recursos do FGTS, estamos sendo conservadores e considerando que um comprador regular poderia utilizar 10% de seu FGTS em parcelas mensais", escreveram. Eles disseram que essa pode ser a mudança com maior impacto, mas que há ainda incerteza sobre as regras.

Por volta de 12h, as ações de MRV e Tenda subiam 1,5% e 2% na bolsa, respectivamente, enquanto os papéis de Direcional caíam 0,2%. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, e do qual só a MRV entre os três papéis faz parte, exibia alta de 0,6%.

Os analistas do Credit reiteraram recomendação 'outperform' para MRV. Eles mantiveram Direcional e Tenda como 'neutra'.

(Por Andre Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos