Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.130,95
    -203,42 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Credit Suisse vende unidades de trust

Credit Suisse

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse está vendendo seus negócios de trust globalmente, um braço do banco para clientes com alto patrimônio, à medida que embarca em uma reestruturação de sua operação após uma série de escândalos.

A venda foi anunciada enquanto o banco suíço se defende de uma indenização de mais de um bilhão de dólares envolvendo a unidade em Cingapura.

O Credit Suisse disse que venderá sua unidade de 'trust' em Cingapura, entre outros negócios em diferentes regiões, e encerrará entidades legais e "negócios residuais" nos próximos anos.

Esta semana, o ex-primeiro-ministro da Geórgia, Bidzina Ivanishvili, alegou em uma ação judicial em Cingapura que uma unidade de trust do Credit Suisse não tomou medidas para impedi-lo de perder 1,27 bilhão de dólares.

A unidade do banco disse que o tamanho de sua reivindicação era "extremo", pedindo ao tribunal que a rejeitasse.

O Credit Suisse venderá a maior parte de seus negócios de trust em Guernsey, Cingapura e Bahamas para o Bank of N.T. Butterfield & Son Limited, enquanto a Gasser Partner Trust assumirá os negócios em Liechtenstein.

Algumas entidades permanecerão com o Credit Suisse para um pequeno número de clientes. O banco não fez comentários adicionais.

(Por Michael Shields; redação de John O'Donnell)