Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.770,10
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    55.018,69
    -1.022,25 (-1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.233,61
    -65,35 (-5,03%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.109,44
    -575,93 (-1,94%)
     
  • NASDAQ

    13.913,50
    +16,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6765
    +0,0008 (+0,01%)
     

Credit Suisse sofre nova cobrança antitruste da UE envolvendo investigação sobre câmbio

Michael Shields e Foo Yun Chee
·1 minuto de leitura

Por Michael Shields e Foo Yun Chee

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse disse nesta segunda-feira que sofreu nova cobrança antitruste da União Europeia, três anos depois que autoridades do bloco acusaram o banco suíço de fraude nas taxas de câmbio em um caso de quase uma década.

O setor financeiro está na mira antitruste da UE há cerca de 10 anos por manipular taxas de referência de juros, títulos do governo e de câmbio, resultando em bilhões de euros em multas impostas a vários bancos.

A Comissão Europeia havia enviado em julho de 2018 uma nota de cobrança conhecida como 'comunicação de objeções' ao Credit Suisse, o segundo maior banco da Suíça. Cinco anos antes, o braço executivo da UE havia indicado investigação nesta área.

A comunicação de objeções normalmente estabelece atividades anticoncorrenciais descobertas por reguladores que podem levar a multas de até 10% do faturamento global de uma empresa.

O Credit Suisse confirmou na segunda-feira o recebimento de uma comunicação de objeções adicional.

"O Credit Suisse continua a acreditar que não se envolveu em nenhuma conduta sistêmica nos mercados de câmbio que violou as regras de concorrência da União Europeia e está contestando o caso", disse o banco em um comunicado.

A Comissão, que enviou o documento na semana passada, disse que continua investigando a conduta anterior no mercado de câmbio à vista.

Em maio de 2019, a divisão de concorrência da UE aplicou uma multa total de 1,07 bilhão de euros a Barclays, Royal Bank of Scotland (RBS), Citigroup, JPMorgan e MUFG Bank por fraudes em negociações com moedas.

(Reportagem de Foo Yun Chee em Bruxelas e Michael Shields em Zurique)