Mercado abrirá em 5 h 58 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,48
    +1,91 (+1,74%)
     
  • OURO

    1.828,80
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    20.868,70
    -390,28 (-1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,33
    -7,46 (-1,62%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    22.415,82
    +186,30 (+0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.103,00
    +62,50 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5345
    -0,0096 (-0,17%)
     

Credit Suisse reduz IPCA de 2022 com medidas tributárias do governo, mas vê riscos maiores à frente

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Sede do Banco Central em Brasília
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA (Reuters) - O Credit Suisse reduziu sua projeção para o IPCA este ano, ao mesmo tempo em que elevou a estimativa para 2023, em movimentos que refletem o impacto esperado das medidas anunciadas esta semana pelo governo para reduzir a taxação federal e estadual sobre combustíveis e outros produtos e serviços públicos.

Como resultado dos novos cortes tributários e do dado do IPCA de maio divulgado esta manhã, que veio abaixo do esperado pelo mercado, o banco reduziu sua estimativa de alta da Selic na próxima semana, mas alertou para o aumento do risco para a trajetória da taxa de juros.

"As medidas do governo para reduzir a inflação neste ano devem ser vistas como um risco para a trajetória dos juros futuros, dado que a potencial reversão de parte dos cortes de impostos e maior risco fiscal devem elevar as expectativas de inflação para 2023 e 2024, anos-calendário que estarão no horizonte da política monetária nas próximas reuniões", disse o Credit Suisse em relatório.

O governo anunciou nesta semana proposta de emenda à Constituição para zerar temporariamente tributos federais e estaduais sobre combustíveis a um custo de cerca de 40 bilhões de reais.

Paralelamente, o Congresso avalia projeto que fixa um limite para a alíquota de ICMS sobre combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

Em relatório, o Credit Suisse disse que espera um "pass-through" parcial das medidas para os preços finais este ano, ao mesmo tempo em que estima que a reversão dos cortes tributários em 2023 vai alimentar a inflação no ano que vem e no seguinte. A estimativa do Credit Suisse para o IPCA este ano foi reduzida de 9,8% para 7,6% e, para 2023, foi elevada de 5,1% para 5,3%.

Como resultado dos novos cortes tributários e do dado do IPCA de maio divulgado esta manhã, que veio abaixo do esperado pelo mercado, o banco reduziu sua estimativa de alta da Selic na próxima semana para 50 pontos-base, de 75 pontos-base esperados anteriormente.

"Apesar disso, mantemos nossa projeção de que o BC continuará elevando a taxa em agosto, em 50 pontos-base, e manterá as taxas em nível alto por mais tempo", disse o banco.

O IBGE informou nesta quinta-feira que o IPCA desacelerou a alta a 0,47% em maio, de 1,06% em abril, marcando a taxa mensal mais baixa desde abril de 2021 (+0,31%). A leitura veio abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters, de alta de 0,60%.

(Por Isabel Versiani; edição de Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos