Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.052,09
    +82,55 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Credit Suisse projeta prejuízo bilionário no 4° tri com saída de clientes ricos

Por John Revill

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse espera um prejuízo antes de impostos de até 1,5 bilhão de francos suíços (1,58 bilhão de dólares) no quarto trimestre, disse o banco suíço nesta quarta-feira, pouco antes de seus acionistas aprovarem um aumento de capital de 4 bilhões de dólares.

O banco afirmou que o ambiente econômico e de mercado "desafiador" prejudicou a atividade dos clientes. Além disso, disse que as saídas de caixa aumentaram no início do quarto trimestre.

O alerta é o mais recente revés para o Credit Suisse, que já havia previsto anteriormente um prejuízo líquido para os últimos três meses do ano, mas sem divulgar números.

O banco também fez uma avaliação preocupante da escala de seus problemas, exacerbados por clientes que retiraram poupanças e investimentos.

O Credit Suisse afirmou que houve uma saída equivalente a 6% do total dos ativos geridos pelo grupo no final do terceiro trimestre. Segundo o banco, essa tendência na divisão de gestão de patrimônio, que atende a clientes ricos, melhorou, mas ainda não foi revertida.

Como resultado, o banco foi forçado a mergulhar nos amortecedores de liquidez, ficando abaixo de certos requisitos regulatórios mínimos, embora tenha dito que as principais exigências de liquidez e financiamento foram mantidas.

O Credit Suisse realizou uma assembleia geral extraordinária, onde obteve a aprovação dos acionistas a um aumento de capital para financiar sua recuperação frente à maior crise já enfrentada em seus 166 anos de história.

O banco foi atingido por uma série de escândalos e prejuízos, incluindo uma perda de 5,5 bilhões de dólares no caso da empresa de investimentos norte-americana Archegos. O Credit Suisse também teve que congelar 10 bilhões de dólares em recursos financeiros relacionados à insolvente empresa britânica Greensill.

"O banco de investimento foi impactado pela desaceleração substancial em todo o setor nos mercados de capitais e atividade reduzida nos negócios de vendas e trading, exacerbando os declínios sazonais normais e o relativo baixo desempenho do grupo", disse o Credit Suisse, o segundo maior banco da Suíça.

A atividade de clientes permaneceu moderada nas divisões de gestão de patrimônio e do Swiss Bank, uma situação que deve continuar nos próximos meses, disse o banco.

Os analistas expressaram preocupação com as saídas, estimadas pelo Bank Vontobel em cerca de 84 bilhões de francos suíços.

"As enormes saídas líquidas em gestão de patrimônio, o principal negócio do Credit Suisse ao lado do Swiss Bank, são profundamente preocupantes - ainda mais porque ainda não foram revertidas", disse Andreas Venditti, analista da Vontobel.

"O Credit Suisse precisa restaurar a confiança o mais rápido possível - mas é mais fácil falar do que fazer."

Por volta de 9h45 (horário de Brasília), as ações do Credit caíam 3,4%, e acumulavam perdas de quase 60% no ano.

No final de outubro, o Credit Suisse revelou um plano para cortar milhares de empregos e mudar seu foco do negócio de banco de investimento para gestão de patrimônio.

"O grupo continua a executar as ações estratégicas decisivas detalhadas em 27 de outubro de 2022, para criar um banco mais simples, mais focado e mais estável", afirmou.

O Credit teve prejuízo antes de impostos no terceiro trimestre de 342 milhões de francos.