Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,92
    -0,36 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.753,00
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.471,14
    -4,65 (-0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,32
    +4,67 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.180,25
    -102,78 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    11.717,00
    -65,75 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6176
    -0,0068 (-0,12%)
     

Credit Suisse planeja avançar com expansão na China após reestruturação

Por Selena Li

HONG KONG (Reuters) - O Credit Suisse vai manter processo de expansão na China, disse o diretor regional do banco suíço, mesmo que a estratégia de recuperação da instituição leve à perda de empregos em outros mercados.

Como parte da reestruturação global, o Credit Suisse está avaliando sua presença em 13 locais no Sudeste Asiático e Oceania, com o objetivo de "simplificar" as operações em cada mercado, disse o presidente-executivo do Credit Suisse na Ásia-Pacífico, Edwin Low, sem dar mais detalhes.

Low disse que China e Hong Kong, no entanto, permanecerão como pontos mais positivos. "Se eu olhar para o número de funcionários da região nos próximos cinco anos, China e Hong Kong serão o maior mercado de crescimento para nós", disse ele. "Está muito claro que o mercado é maior na China do que no Sudeste Asiático, Austrália ou Índia."

Como parte de seus planos de expansão na China, o Credit Suisse fechou um acordo para comprar a parceira chinesa em uma joint venture local de títulos no mês passado.

"A China passará por altos e baixos, mas estamos dando a oportunidade de adquirir 100% dos títulos do Credit Suisse com nosso total compromisso, sabendo que a recuperação da China pode não ser imediata", disse Low.

Além de solicitar uma licença para vender produtos a seus clientes, o Credit está montando um banco incorporado localmente, que levará de dois a três anos para ser construído e, após o qual seus clientes poderão negociar ações listadas na China, disse ele.

Com ativos sob gestão no valor de cerca de 249 bilhões de dólares no final de setembro, a região da Ásia-Pacífico é o terceiro maior mercado do Credit Suisse depois da Suíça e região da Europa, Oriente Médio e África.

(Por Selena Li)