Mercado abrirá em 4 h 50 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,95
    +0,59 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.784,30
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    49.422,07
    -1.248,25 (-2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.294,26
    -10,86 (-0,83%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.240,39
    +243,52 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.376,50
    -15,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2741
    0,0000 (0,00%)
     

Credit Suisse passa a projetar contração econômica de 0,5% no Brasil em 2022

·2 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O Credit Suisse piorou suas estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano e no próximo, projetando agora contração econômica de 0,5% em 2022, com a inflação devendo continuar em patamares elevados.

A projeção anterior do banco privado era de crescimento de 0,6% do PIB no ano que vem. Para 2021, o Credit Suisse piorou a estimativa a uma expansão econômica de 4,8%, ante taxa de 5,0% prevista anteriormente.

A revisão do credor suíço veio após dados desta sexta-feira mostrarem que o setor de serviços brasileiro registrou queda inesperada de 0,6% no volume em setembro, após cinco meses de crescimento.

"O resultado de hoje reforça o cenário de piora da atividade econômica que tem sido visto nos últimos meses", escreveram em relatório Solange Srour, economista-chefe do banco no Brasil, e Lucas Vilela, economista.

O Credit Suisse citou a escassez global de insumos como obstáculo de curto prazo que explica a fraca dinâmica da atividade econômica, mas o destaque ficou para uma ampla lista de fatores "mais persistentes" que devem prejudicar o crescimento do PIB.

"O atual nível de inflação deve permanecer elevado devido à alta inércia no país; o recente aperto das condições financeiras provavelmente não vai recuar, uma vez que a taxa de juros deve subir bem mais e a estrutura fiscal enfraqueceu recentemente; a incerteza em relação ao cenário político deve permanecer alta até a conclusão das eleições do ano que vem, e o cenário para mercados emergentes tem ficado mais desafiador (...)", disseram Srour e Vilela.

E a contração econômica não deve ser acompanhada de alívio na frente inflacionária, alertou o Credit Suisse. "Nossos modelos continuam prevendo inflação muito alta no ano que vem, de 6,0%, bem acima do limite da meta do Banco Central, de 5%."

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos