Mercado fechará em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    130.080,88
    -127,08 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.997,91
    -31,63 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,77
    +0,89 (+1,26%)
     
  • OURO

    1.860,80
    -5,10 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    39.996,46
    -631,52 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,09
    -12,52 (-1,24%)
     
  • S&P500

    4.242,86
    -12,29 (-0,29%)
     
  • DOW JONES

    34.224,08
    -169,67 (-0,49%)
     
  • FTSE

    7.171,53
    +24,85 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.072,25
    -52,50 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1571
    +0,0256 (+0,42%)
     

Credit Suisse oferece bônus para evitar êxodo de banqueiros

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Credit Suisse está oferecendo pagamentos seletivos a banqueiros seniores em meio ao impacto dos recentes escândalos, como o colapso da Archegos Capital Management, nos prêmios com ações e ao êxodo crescente de executivos para outras empresas.

O banco com sede em Zurique decidiu pagar bônus de retenção para alguns diretores e outros profissionais experientes do banco de investimento, segundo pessoas a par do assunto. O processo é conduzido discretamente para evitar divisões entre as unidades, onde alguns estão recebendo bônus e outros nada, disseram as pessoas.

As baixas mais recentes são dois profissionais seniores que trabalhavam na unidade de banco de investimento em Nova York: Andrew Conway e Charles Hadid, que foram contratados pelo Bank of America e Morgan Stanley, respectivamente, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

O Credit Suisse enfrenta um dos períodos mais difíceis desde a grande crise financeira, abalado pelos escândalos da Archegos e Greensill Capital este ano que causaram perdas de bilhões de dólares e mancharam ainda mais a reputação do banco. O novo presidente do conselho do Credit Suisse, António Horta-Osorio, prometeu uma reformulação completa e disse que as duas crises superaram qualquer outra vivenciada por ele em mais de 30 anos no setor.

O banco não quis comentar sobre os bônus.

Os concorrentes miram o segundo maior banco da Suíça como terreno fértil para a caça de talentos que, de outra forma, seriam difíceis de contratar, disseram pessoas a par do assunto nas últimas semanas. O risco de êxodo vai além do banco de investimento, pois gerentes de relacionamento para clientes ricos também se esforçam para tranquilizá-los.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.