Mercado fechará em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    111.684,00
    -2.128,87 (-1,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.455,99
    -273,81 (-0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,39
    +0,89 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.763,30
    -7,90 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    21.566,39
    -1.775,37 (-7,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    513,37
    -28,23 (-5,21%)
     
  • S&P500

    4.239,55
    -44,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    33.797,53
    -201,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.291,25
    -232,00 (-1,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2052
    -0,0086 (-0,16%)
     

Credit Suisse melhora prognóstico para crescimento do PIB do Brasil a 2,0%, de 1,4%

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO (Reuters) - O Credit Suisse elevou sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano, citando impacto de cortes de impostos e medidas de auxílio econômico do governo, embora tenha ressalvado que os riscos para suas projeções de 2023 estão inclinados para o lado negativo.

Agora, o banco espera que a economia brasileira cresça 2,0% neste ano, contra taxa de 1,4% prevista anteriormente. A revisão veio mesmo após a notícia de que o IBC-Br, índice do Banco Central considerado um sinalizador do PIB, teve queda de 0,11% em maio sobre abril.

Como responsáveis pela mudança de cenário o Credit Suisse citou os efeitos da reabertura da economia e medidas de estímulo do governo, incluindo a liberação de saques extraordinários do FGTS, antecipação do 13º de aposentados e pensionistas e cortes de impostos. O banco suíço também mencionou a PEC dos Benefícios --que deve ser promulgada nesta semana-- como fator que deve apoiar a atividade no terceiro trimestre.

O Credit Suisse manteve expectativa de que o PIB crescerá 0,2% em 2023, mas destacou que os riscos estão "inclinados ​​para o lado negativo" devido à esperada diminuição dos efeitos da maioria das medidas fiscais e aos impactos defasados dos juros mais altos e das condições financeiras globais mais apertadas, disse o banco em relatório assinado por Solange Srour, Lucas Vilela e Rafael Castilho.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos