Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.494,53
    +382,38 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Credit Suisse estuda demitir milhares de funcionários para reduzir custos

No mês passado, o Credit Suisse demitiu mais de 24 pessoas da linha de frente do banco na Ásia (Getty Images)
No mês passado, o Credit Suisse demitiu mais de 24 pessoas da linha de frente do banco na Ásia

(Getty Images)

  • Credit Suisse estuda cortar milhares de cargos ao longo dos anos;

  • Banco enfrenta dificuldades em reduzir custos e acumula prejuízos;

  • Dispensas devem ser as mais profundas desde 2016, quando 6 mil cargos foram extintos.

Executivos do banco Credit Suisse estudam cortar milhares de cargos ao longo de vários anos, revelaram fontes ouvidas pela Bloomberg. O grupo suíço, que contava até o fim de junho com 51.410 funcionários, enfrenta dificuldades em reduzir os custos em mais de US$ 1 bilhão (R$ 5,19 bi) após encarar perdas de US$ 1,65 bilhão (R$ 8,56 bi) de abril a junho.

A estratégia deve ser finalizada dentro dos próximos dois meses e incluir um plano agressivo de demissão, apontado como o mais profundo desde que 6 mil cargos foram extintos, em 2016, pelo ex-presidente executivo Tidjane Thiam. Na época, houve uma sequência de perdas inesperadas em posições de negociação. Até o momento, porém, nenhuma decisão foi tomada.

No mês passado, o Credit Suisse demitiu mais de 24 pessoas da linha de frente do banco na Ásia e, segundo os ouvidos pelo portal, existe um desejo de reformular o banco de investimentos em breve. Em contrapartida, uma fonte oficial da empresa disse apenas que haverá mudanças, sem fornecer mais detalhes. “Já dissemos que vamos atualizar a nossa estratégia, quando anunciarmos os resultados do terceiro trimestre. Até lá qualquer notícia sobre uma decisão é meramente especulativa”.

A notícia surge uma semana após o anúncio da saída de Thomas Gottsein da liderança do grupo. O cargo passou a ser ocupado por Ulrich Koerner, ex-executivo do UBS e chefe de gestão de ativos do banco, em um esforço para retomar a lucratividade. Durante o mandado de Gottstein, houve diversos prejuízos maciços e escândalos jurídicos. As ações do grupo acumularam queda de 40%.

Mudança de presidente no Brasil

Não é só no exterior que o Credit Suisse enfrenta mudanças. A subsidiária brasileira do banco anunciou, nesta sexta-feira (5), a nomeação de Marcello Chilov como novo presidente-executivo.

Ivan Monteiro, ex-presidente da Petrobras e que havia sido nomeado copresidente interino junto com Chilov em janeiro, vai liderar a operação de wealth e banco de investimento no país. Ambos seguirão como membros do conselho consultivo do Credit Suisse Brasil, presidido por Ana Paula Pessoa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos