Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    56.189,69
    -6.338,17 (-10,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Credit Suisse eleva projeção para Selic a 6,5% e vê inflação ainda pressionada

·2 minuto de leitura
Sede do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O Credit Suisse elevou a 6,5% a projeção para a Selic ao fim dos anos de 2021 e 2022, devido a um Banco Central mais preocupado com a inflação e ao cenário inflacionário desfavorável.

Com a elevação de 0,75 ponto percentual nos juros na noite de quarta-feira, a Selic está agora em 2,75%. O Credit Suisse espera que o BC implemente mais cinco acréscimos consecutivos de 0,75 ponto cada, o que colocaria a taxa em 6,5% no próximo mês de outubro, patamar em que permaneceria pelo menos até o final de 2022.

O CS projeta que a inflação alcançará 5,1% neste ano e 4,0% em 2022 --ambas as taxas acima dos centros das metas para os respectivos anos: 3,75% para 2021 e 3,5% para 2022.

"Ainda vemos pressão sobre a inflação nos próximos meses", disse o banco privado.

Há um mês, o Credit Suisse via IPCA de 4,5% em 2021, projeção elevada ante 4,2% do cenário anterior. Também em fevereiro, a instituição calculava que a Selic fecharia o ano em 4,5%.

"Acreditamos que a magnitude total do ciclo ainda dependerá do balanço de riscos e das principais variáveis econômicas. Achamos que uma estratégia melhor seria ser dependente de dados", disse o banco privado em nota.

"A incerteza quanto ao lado fiscal da economia é muito grande, e seria melhor deixar a porta aberta para o ponto final", acrescentou.

Na noite de quarta-feira, o BC surpreendeu parte dos analistas ao elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 2,75% ao ano, na primeira alta de juros em cerca de seis anos. Ainda assim, o Copom falou em "processo de normalização parcial" da política monetária, sugerindo que a taxa não subirá a ponto de zerar o estímulo monetário neste ano.

(Por José de Castro)