Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.261,97
    -232,91 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Credit Suisse e Goldman Sachs reduzem estimativas de crescimento brasileiro

·2 min de leitura

As expectativas para o crescimento da economia brasileira estão piores a cada dia. Os relatórios mais recentes do Goldman Sachs e do Credit Suisse vieram para incrementar o tom pessimista do mercado.

Ambos cortaram as estimativas para o PIB do Brasil no ano que vem. Enquanto o Goldman Sachs espera um crescimento de 0,8% (ante previsão de 1,5%), o Credit Suisse antevê uma recessão de 0,5% (antes o esperado era um crescimento de 0,6%.

O cenário de piora é compartilhado pelo mercado em geral. No relatório Focus desta semana, divulgado pelo Banco Central (BC), o crescimento do PIB previsto pelas instituições financeiras para 2022 é de 1%.

Há uma semana, as expectativas giravam em torno de um crescimento de 1,20%, e 1,54% há quatro semanas atrás. 

Goldman Sachs

O Goldman Sachs rebaixou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2022 para 0,8%.

A justificativa é a piora do cenário de inflação, condições monetárias mais apertadas e crescentes riscos políticos e fiscais.

Anteriormente, o banco norte-americano projetava avanço de 1,5% do PIB no ano que vem. Para 2021, o Goldman Sachs manteve a estimativa de crescimento de 4,9%.

Em relatório sobre as perspectivas econômicas para a América Latina, o banco citou “pano de fundo de inflação muito alta” e consequente “mudança para uma posição de política monetária significativamente restritiva até o final de 2021” como justificativas para sua projeção.

A expectativa do Goldman Sachs é de que o Banco Central eleve a taxa Selic para 11% ao ano ao final de seu atual ciclo de aperto monetário. 

Atualmente, os juros básicos estão em 7,75%, após a autarquia promover aumento de 150 pontos-base no último encontro do Copom.

O relatório concluiu com um alerta em relação a pioras dos indicadores de confiança, deterioração das condições de governabilidade e crescentes prêmios de risco político e fiscal como empecilhos para o crescimento econômico.

Credit Suisse

O Credit Suisse cortou suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano e no próximo.

A estimativa para 2021 é que o ano feche com crescimento de 4,8%, ante 5% na última estimativa. Para 2022, o cenário esperado é de contração econômica de 0,5%, com a inflação devendo continuar em patamares elevados.

A revisão da instituição veio após dados desta sexta-feira (12/11) mostrarem que o setor de serviços brasileiro registrou queda inesperada de 0,6% no volume em setembro, após cinco meses de crescimento.

“O resultado de hoje reforça o cenário de piora da atividade econômica que tem sido visto nos últimos meses”, escreveram em relatório os economistas do banco no Brasil, Solange Srour e Lucas Vilela.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos