Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.473,87
    -640,29 (-0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.004,68
    +196,12 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,54
    +1,83 (+2,39%)
     
  • OURO

    1.635,20
    +1,80 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    19.072,27
    -116,56 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,05
    -21,09 (-4,59%)
     
  • S&P500

    3.647,32
    -7,72 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.350,50
    +34,25 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1612
    -0,0182 (-0,35%)
     

Credit Suisse avalia separar banco de investimento em três, diz Financial Times

Credit Suisse

BENGALURU, Índia (Reuters) - O Credit Suisse elaborou planos para dividir sua operação de banco de investimento em três, informou o Financial Times nesta quinta-feira, à medida que o banco suíço tenta emergir de três anos de escândalos.

Sob as propostas, o banco está procurando vender unidades lucrativas, como o negócio de produtos securitizados, para evitar um aumento de capital, disse a reportagem, citando pessoas familiarizadas com os planos.

O Credit Suisse não comentou.

Entre as propostas, está a divisão do banco de investimento em três partes: o negócio de assessoria do grupo, que pode ser desmembrado em algum momento posterior; uma unidade para manter ativos de alto risco que serão liquidados; e o restante do negócio.

"Nós dissemos que atualizaremos o progresso de nossa abrangente revisão de estratégia quando anunciarmos nossos resultados do terceiro trimestre", disse o Credit Suisse, segundo o jornal. "Seria prematuro comentar sobre quaisquer potenciais definições antes disso."

O presidente do conselho de administração do Credit Suisse, Axel Lehmann, nomeou Ulrich Körner como presidente-executivo em julho com o objetivo de reestruturar o banco, atingido nos últimos anos por escândalo de espionagem corporativa, fechamentos de fundos de investimento, prejuízo recorde em trading e uma série de processos judiciais, de acordo com a reportagem.

A Reuters disse no início deste mês que o Credit Suisse, o segundo maior banco da Suíça, também estava procurando cortar cerca de 5.000 empregos, cerca de 10% do pessoal, como parte de um esforço de redução de custos.

Em maio, a Reuters disse que o banco estava nos estágios iniciais de avaliação de opções para reforçar seu capital depois que uma série de prejuízos corroeu suas reservas financeiras.

(Por Juby Babu)