Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,55
    +0,79 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.806,00
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.418,23
    +382,49 (+1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,24
    +4,77 (+1,11%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.412,29
    +19,25 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    11.533,75
    +4,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4996
    -0,0060 (-0,11%)
     

Credit Suisse avalia mais cortes de empregos após aviso de perda

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O Credit Suisse avalia uma nova rodada de cortes de empregos, parte de um esforço renovado para reduzir custos após alertar sobre prejuízo no segundo trimestre, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

O banco suíço cogita a redução do número de funcionários em todas as divisões, incluindo banco de investimento e gestão de patrimônio em várias regiões, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas.

Após caírem até 7,6% com o alerta de prejuízo, as ações do banco inverteram o curso, ganhando até 5,8% depois que o blog suíço Inside Paradeplatz informou que a State Street poderia fazer uma oferta pelo Credit Suisse.

As demissões provavelmente ocorrerão enquanto o banco se prepara para atualizar os investidores sobre risco, compliance, tecnologia e gestão de patrimônio em 28 de junho, disseram as pessoas. A contagem final de cortes ainda está para ser decidida, disseram. Uma porta-voz do Credit Suisse não quis comentar, apontando para a declaração do credor na quarta-feira sobre acelerar os esforços de corte de custos.

O banco alertou que espera um terceiro prejuízo consecutiva neste trimestre, impulsionado por uma queda em sua divisão de banco de investimento e trading. O Credit Suisse salientou a ampliação dos spreads de crédito e a desalavancagem dos clientes em meio a mercados voláteis, embora outros bancos tenham dito que a volatilidade beneficiou suas mesas de operações.

“O alerta de prejuízo de hoje culpa ‘a situação geopolítica atual’ e um ‘aperto monetário significativo’, mas argumentaríamos que a situação do CS pode ser em grande parte auto-infligida”, escreveram analistas do Citigroup liderados por Andrew Coombs em nota aos clientes na quarta-feira.

O Inside Paradeplatz disse que uma oferta pelo Credit Suisse de cerca de 9 francos por ação poderia chegar em poucos dias. Um representante da State Street disse que a empresa preparava uma resposta ao relatório, enquanto os analistas estão céticos sobre um acordo, citando a falta de lógica estratégica para a empresa norte-americana. O Credit Suisse não quis comentar.

Nos dois anos sob o comando do CEO Thomas Gottstein, o Credit Suisse teve o impacto de US$ 5,5 bilhões do colapso da Archegos, o colapso da Greensill Capital e uma série de alertas sobre lucro que minaram a confiança dos investidores, enfraqueceram negócios importantes e provocaram um êxodo de talentos. O credor disse que 2022 será um ano de transição, pois busca reduzir o risco na divisão de banco de investimento enquanto transfere recursos para a gestão de patrimônio.

O credor suíço tinha cerca de 51.000 funcionários no final de março. Recentemente, sofreu mudanças no alto escalão.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos