Mercado fechará em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    117.608,70
    +410,88 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.600,22
    +754,39 (+1,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,49
    +0,73 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.720,60
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    20.089,56
    -99,79 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,77
    -6,35 (-1,37%)
     
  • S&P500

    3.756,79
    -26,49 (-0,70%)
     
  • DOW JONES

    29.999,65
    -274,22 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,77 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.624,75
    +1,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1003
    -0,0676 (-1,31%)
     

Credit Suisse avalia demitir cerca de 5 mil funcionários, diz fonte

Credit Suisse

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse está avaliando planos para um corte de 5.000 empregos em todo o grupo, cerca de um décimo de sua força de trabalho, como parte de um esforço de redução de custos, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto à Reuters.

As discussões estão em andamento e o número de cortes ainda pode mudar, disse a pessoa.

Procurado, o banco apenas reiterou comunicação anterior de que daria uma atualização sobre sua abrangente revisão de estratégia em conjunto com os resultados do terceiro trimestre, e que qualquer notícia sobre possíveis medidas antes disso é especulação.

O Credit Suisse nomeou em julho o chefe de gestão de ativos Ulrich Koerner como seu novo presidente-executivo, com a tarefa de diminuir a operação de banco de investimento e cortar mais de 1 bilhão de dólares em custos para ajudar na recuperação do banco, após uma série de escândalos e prejuízos.

O Credit, o segundo maior banco da Suíça, classificou 2022 como um ano de "transição", com uma mudança na alta administração da instituição e uma reestruturação destinada a reduzir ainda mais o banco de investimento e aumentar o negócio de gestão de patrimônio ('wealth management'), sua principal frente de atuação.

As ações do Credit Suisse, que caíram mais de 40% este ano, recuaram 3,9% nesta quinta-feira, no menor nível de fechamento de sua história, em meio a uma sessão negativa para bancos em geral na Europa.

(Por Oliver Hirt)